Categories: Giro do Boi

4 fatores críticos que a indústria de carne a pasto não pode ignorar – Parte 1 – Por Wayne Rasmussen

Consistência, Protocolo, Rentabilidade, Marketing

Consistência: Crítica para o crescimento da indústria de carne produzida a pasto:

Sinto que há quatro questões críticas que vejo, como um membro fundador da Grass Fed Exchange, que irá manter a indústria de carne produzida a pasto crescendo e atingindo todo o seu potencial. Vou tentar abordar todos esses temas nos próximos posts do blog que irei publicar. Eu simplesmente não posso fazer justiça a qualquer um desses assuntos em um texto curto.

Nós, na indústria de carne produzida a pasto, podemos produzir uma experiência de consumo de alta qualidade, maciez e sabor para o consumidor, que também é muito saudável para ele e sua família.

Parece-me que há muito interesse não apenas do consumidor em experimentar produtos produzidos a pasto, mas também pelo produtor,  que quer produzir um produto saudável para sua família e também compartilhar essa experiência com os outros.

Atualmente, estamos vendo os preços do gado com algum potencial de alta de curto prazo. Nós, na indústria, sabemos que isso é apenas de curta duração, a menos que possamos criar uma maior demanda pelo produto.

Com todos os produtos agrícolas bem longe de seus máximos recentes, nós, como produtores, naturalmente, procuramos maneiras de aumentar nossos resultados. Olhar para os mercados especiais é uma das maneiras pelas quais podemos fazer isso.

O que me preocupa neste momento é que haverá alguns produtores que procuram uma maneira de aumentar seus lucros que não entendem completamente o que é preciso para produzir um produto de qualidade consistente. O produto certo estimulará o consumidor a continuar comprando mais. O consumidor vai, então, contar a seus amigos e vizinhos sobre a experiência boa e saudável que teve com um dos nossos excelentes produtos.

Falo isso como alguém que estava muito entusiasmado com os grandes benefícios para a saúde que os produtos produzidos a pasto teriam sobre a nossa sociedade. Vi muito sofrimento e tristeza para familiares e vizinhos por causa do câncer, doenças cardíacas e diabetes.

Eu sentia que se eu pusso criar um produto que tivesse o potencial de ajudar a aliviar alguns desses problemas, tenho a responsabilidade de produzir esse produto e compartilhá-lo com minha família, amigos, comunidade e tantas pessoas quanto possível.

Comecei a mudar o meu rebanho para genética de produção a pasto, trocar de uma dieta à base de milho para uma dieta de forragem e pastagem. Quando eu tinha algum produto pronto para vender, compartilhava com familiares e amigos. Achava que estava produzindo um produto superior e eu estava entusiasmado com isso.

Minha bolha explodiu rapidamente. Das 20 a 25 pessoas a quem dei produtos, apenas uma sentiu que aquilo era um presente. Eu tinha produzido o que pensava ser um produto superior até descobrir que ele não era tão macio quanto eu pensava. Ele também tinha um sabor muito forte, o que fez com que quase todos se afastassem para sempre de experimentar carne produzida a pasto.

Estou contando isso, porque não quero que os outros façam o mesmo que fiz. No entanto, isso é exatamente o que estou vendo em muitos lugares, à medida que os novos produtores ficam entusiasmados com crescimento da carne produzida a pasto.

Eles vão para a loja local de alimentos saudáveis e convencem ou solicitam que ofereçam seu produto produzido a pasto na sua loja. Se este produto não for macio ou tiver um bom sabor, acabamos de perder esse cliente de comprar qualquer produto produzido a pasto no futuro.

Não só ele ou ela não comprará mais carne a pasto, mas também contará a seus amigos sobre a experiência de consumo que tiveram com o nosso produto.

Nós temos um produto muito bom para oferecer ao nosso consumidor, mas precisamos ter certeza de que o produto que oferecemos é da qualidade que queremos compartilhar. Não é tão simples como apenas colocar alguns novilhos ou novilhas em um pasto e quando – e se – eles engordarem, abatê-los e chamar o produto de carne a pasto.

No entanto, isso é exatamente o que estou vendo muitas vezes. Como você pode ver, a carne produzida a pasto não precisa ser menos macia ou ter menos marmoreio. Nós podemos produzir um produto de qualidade consistente que dê ao nosso consumidor uma excelente experiência de consumo todas as vezes.

Por Wayne Rasmussen é co-fundador e presidente emérito da The Grass Fed Exchange, para o https://grassfedexchange.com.

This post was published on 9 de agosto de 2017

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

CEPEA: Preço interno segue operando na máxima nominal

A baixa oferta de animais para abate mantém os preços diários da arroba operando nas… Read More

17 de setembro de 2020

Pecuaristas e industriais paraguaios avançam para criar o instituto da carne

Os pecuaristas e industriais do Paraguai, após um longo período, voltaram a reunir-se com o… Read More

17 de setembro de 2020

Coalizão entre agronegócio e ONGs propõe ao governo ações contra desmatamento

Uma coalizão formada por 230 representantes do agronegócio, de entidades não-governamentais (ONGs) e outros setores… Read More

17 de setembro de 2020

Arroba segue firme, mesmo com consumidor retraído

Nesta terça-feira, o mercado físico do boi gordo operou com maior cautela e foi marcado… Read More

17 de setembro de 2020

CNA: reforma tributária isenta 80% dos produtores do País

O presidente do Instituto CNA, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Roberto… Read More

17 de setembro de 2020

Rabobank aponta novas oportunidades para proteína animal na China no pós Covid-19 e PSA

O mercado de proteína animal na China tem experimentado grande volatilidade nos últimos anos. Conforme… Read More

17 de setembro de 2020