EUA: Valor de exportação de carne bovina bate recorde
10 de maio de 2022
Preços dos alimentos no mundo são os mais caros em 61 anos, conclui ONU
11 de maio de 2022

3 considerações de saúde para operações de confinamento de cria

Embora a maioria das operações de cria de vacas ainda seja baseada em pastagens, as instalações de confinamento estão ganhando força nos EUA.

Em geral, mais atenção deve ser dada para melhorar a biossegurança nessas instalações para evitar que doenças sejam transmitidas entre os animais, disse Dan Thomson, veterinário da Production Animal Consultation e membro do corpo docente da Iowa State University.

“Quando temos esses animais próximos, não é diferente se tivermos uma gripe ou um resfriado circulando como resultado de pessoas terem estado juntas em uma sala”, diz ele.

Em uma edição de março de seu programa, Doc Talk (disponível aqui: https://bit.ly/3LM6JcB), Thomson abordou as três preocupações de saúde mais comuns que ele tem para operações de confinamento. Aqui está um breve resumo.

1. Assim como no pasto, os bezerros de corte nascidos em confinamento precisam de colostro precocemente.

“Quando esses bezerros se levantam, queremos ter certeza de que eles mamam”, diz ele. “Se eles não receberem colostro nas primeiras seis a 12 horas, temos que chegar lá e ordenhar a vaca e dar-lhes o colostro, ou temos que usar um substituto de colostro.”

Um programa de vacinação de rotina, especialmente para prevenir o rotavírus e o coronavírus, apoia a saúde das vacas e o desenvolvimento do colostro antes da gestação e ajuda a evitar surtos de diarreia em bezerros, acrescenta.

2. Uma boa ventilação é a pedra angular para operações de confinamento bem gerenciadas.

Uma instalação sem movimento de ar adequado não é adequada para vacas ou bezerros, especialmente durante as altas temperaturas do verão.

A ventilação adequada também ajuda a manter a cama seca, o que pode ajudar os produtores a minimizar doenças respiratórias e diarreia.

3. Concentre-se em manter um ambiente limpo.

As condições do curral devem ser verificadas e mantidas de forma consistente e cama fresca deve ser fornecida para minimizar doenças.

“Você pode aumentar um pouco a cama, mas precisa limpar essas baias rotineiramente.”

Dados de uma pesquisa com pecuaristas de Dakota do Sul mostram que os produtores podem limpar a cama de quatro vezes por semana a cada duas semanas. No entanto, a maioria está limpando duas a três vezes por semana, de acordo com Heidi Carroll, especialista em campo de extensão da Universidade Estadual de Dakota do Sul e coordenadora de garantia de qualidade da carne bovina.

A morbidade da dermatite digital pode variar de um ou dois animais sendo afetados no rebanho a grandes surtos de mais de 25% afetados, de acordo com a pesquisa da Iowa State University.

A claudicação pode representar até 70 por cento de todas as vendas de gado não produtivo, acrescenta Arturo Gomez, DVM, Zinpro,

“Se tivermos um surto no curral, na maioria das vezes vamos levar esses animais a um banho de formaldeído ou sulfato de cobre, e vamos tratar os casos individuais com algum tipo de pomada de tetraciclina”, diz Thomson.

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.