-A +A

Estação de monta em gado de corte

Por Adriana Luize Bocchi1, Gabriela Zoccolaro Costa2, Patricia Kobal de S. Rodrigues3 e Sarah Laguna Meirelles4

Como a maioria da produção de gado de corte no Brasil é feita de forma extensiva, a produção irá depender muito da influência do clima, da periodicidade das chuvas e do manejo adotado na fazenda.

Na grande maioria das propriedades a monta é realizada durante todo o ano, com uma concentração natural de nascimentos durante o segundo semestre, devido ao começo da estação das águas. Apesar do custo baixíssimo e de trazer inúmeras vantagens aos pecuaristas, a adoção da estação de monta ainda é pouco praticada, tanto pela idéia de complicação do manejo ou falta de conhecimento.

A definição da estação de monta deve ser realizada de acordo com a região onde a propriedade é localizada, pois devido a diversidade climática no Brasil, cada região apresenta estação de chuvas em épocas diferentes. Vários pesquisadores verificaram que o peso a desmama é maior em animais que nasceram no começo da estação chuvosa. Bocchi (1999) estudou o efeito de data juliana de nascimento sobre o ganho-médio diário de bezerros de quatro raças zebuínas à desmama. A data juliana é a contagem dos dias de 1 à 365 dentro do ano. Neste estudo verificou um comportamento um pouco diferente para todas as raças, entretanto para todas elas os bezerros que apresentaram o maior ganho foram os que nasceram entre agosto e outubro, como mostra a Figura 1.


Figura 1. Efeito da data juliana ao nascimento (DJN) sobre o ganho médio diário predito (GMDp) para a raça Nelore e Tabapuã.

Além disso, Bocchi em 2003, estudando quatro regiões brasileiras (Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul) observou que a influência do mês de nascimento sobre o peso ao desmame de bezerros Nelore foi diferente para cada região. Portanto, em cada região as condições climáticas devem ser observadas e adotado um sistema de manejo adequado.

A adoção da estação de monta traz muitas vantagens, como a definição de grupos de contemporâneos menores, com isso os animais são mais facilmente comparados, podendo ser realizada uma pré-seleção dos animais à desmama entre meio, fundo e cabeceira. Além disto, para a avaliação genética dos animais, grupos menores de animais contemporâneos permitem uma avaliação mais confiável predizendo valores genéticos mais acurados.

As taxas reprodutivas também tendem a crescer. Com o reprodutor descansando grande parte do ano, o seu desempenho é melhor durante a estação de monta. A fertilidade nas fêmeas também será maior devido à melhor condição das pastagens e ao descanso fisiológico até a monta subseqüente. A eficiência reprodutiva é um dos fatores determinantes na produtividade do rebanho, alterando a taxa reprodutiva, taxa de concepção e porcentagem de nascimentos.

Esse tipo de manejo possibilita que os animais inférteis ou com algum tipo de problema reprodutivo sejam mais facilmente identificados e descartados. Vários fatores podem influenciar as características reprodutivas, desde problemas de manejo como também nutricionais, portanto é necessária uma análise com ajuda de um técnico do que está acontecendo e o porque, para que o problema seja solucionado mais rapidamente.

Além de concentrar os partos, a adoção da estação de monta concentra os eventos subseqüentes como a desmama, a vacinação, a vermifugação e a definição do manejo alimentar, em épocas mais adequadas do ano, facilitando o manejo diário da fazenda, além de reduzir custos.

A Embrapa Gado de Corte recomenda que a estação de monta para o sistema de criação a pasto na região Centro-Oeste seja realizada de novembro à janeiro, entretanto para as novilhas, como o intervalo parto-concepção é maior, recomendam que a estação seja antecipada em pelo menos 30 dias em relação às vacas. Além disso, recomenda um cronograma de atividades para esta região (Tabela 1), facilitando o manejo e a identificação dos melhores animais.

Vale lembrar que em criações muito extensivas a adoção da estação de monta deve ser feita de forma gradativa, sendo numa primeira fase com uma estação maior e diminuindo aos poucos, para que não haja redução na taxa de fertilidade dos animais, e também problemas com a adequação dos funcionários e o cotidiano da fazenda com o novo manejo.

Tabela 1. Cronograma mensal das principais atividades de manejo, para o período de monta de novembro a janeiro, no Brasil Central.


Embrapa Gado de Corte, 1996

Referências bibliográficas

BOCCHI, A. L. Efeito da idade da vaca e data juliana de nascimento sobre o ganho médio diário de bezerros de corte durante o período pré-desmame. 109f. 1999. Trabalho (Graduação em Zootecnia) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista / UNESP, Jaboticabal.

BOCCHI, A. L. Efeito da idade da vaca e data juliana de nascimento sobre o ganho médio diário de bezerros de corte durante o período pré-desmame. 109p. 2003. Dissertação (Mestrado em Genética e Melhoramento Animal) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista / UNESP, Jaboticabal.

Estação de monta para bovinos de corte no Brasil Central. Série Gado de Corte Divulga. no 14. jan. Embrapa Gado de Corte. Campo Grande, MS. 1996.

_______________________________

1Adriana Luize Bocchi, Aluna de Doutorado – Programa de Pós-graduação em Zootecnia – Área de Concentração em Melhoramento Genético Animal – FMVZ / Unesp – Campus de Botucatu.

2Gabriela Zoccolaro Costa, Aluna de Mestrado – Programa de Pós-graduação em Genética e Melhoramento Animal – FCAV / Unesp – Campus de Jaboticabal.

3Patricia Kobal de S. Rodrigues, Zootecnista formada pela FCAV / Unesp – Campus de Jaboticabal – Coordenadora SRG ABCBSenepol.

4Sarah Laguna Meirelles, Aluna de Doutorado – Programa de Pós-graduação em Zootecnia – Área de Concentração em Melhoramento Genético Animal – FCAV / Unesp – Campus de Jaboticabal.

Assine nossa newsletter!

Enviar