Produtores irlandeses atacam o acordo “tóxico” da UE com o Brasil – novamente

Os produtores da Irlanda estão mais indignados com a decisão provisória da União Europeia (UE) de permitir que quatro países da América do Sul exportem milhares de toneladas de carne para o bloco, prejudicando os negócios locais.

A Irish Farmers’Association (IFA), um forte adversário das negociações comerciais em curso da UE com o bloco latino-americano Mercosul, exigiu que a elite política da Europa “venha limpar” as nuvens escuras que cercam a produção brasileira de carne.

A comissária de comércio da UE, Celia Maelstrom, deve “rejeitar a destruição ambiental, as falhas na segurança alimentar e o bem-estar dos animais e o trabalho escravo associado à carne bovina brasileira”, afirmou o presidente da IFA, Joe Healy.

Seus comentários vieram depois que os negociadores da UE e do Mercosul se encontraram em Bruxelas para conversas informais no início de dezembro.

Os produtores irlandeses são oponentes fortes para um acordo com o Mercosul que permitiria as importações supostamente mais baratas de carne bovina sul-americana no mercado. Isso, temem os produtores, poderia baixar o preço do seu produto.

E a IFA tem sido extremamente vocal em sua oposição ao acordo. Recentemente, divulgou vários comunicados de imprensa criticando a UE por promover um acordo que muitos produtores da UE alegaram que poderia prejudicar as empresas locais.

Na última repreensão, a IFA disse que havia “sangue ruim” depois que a UE ofereceu ao Mercosul uma cota tarifária de 70 mil toneladas (t) para a carne bovina. Isso permitiria que as primeiras 70.000 toneladas de carne bovina da América do Sul entrassem na Europa com uma tarifa mais baixa. As exportações acima da cota enfrentarão um imposto substancialmente maior.

Embora as cotas tarifárias, ou TRQs, sejam usadas para proteger produtos de importância nacional, a IFA está irritada por ter sido concedida uma concessão à América do Sul.

“É uma contradição total da política europeia que o Comissário Maelstrom agora está disposto a reduzir um acordo para mais importações de carne bovina do Brasil e sacrificar a produção sustentável na Europa”, disse Healy.

A organização agrícola da UE, a Copa-Cogeca, disse que o acordo de carne foi “muito generoso” e “não aceitável”.

A trigésima rodada de negociações oficiais entre as duas partes foi concluída em 27 de novembro.

Fonte: GlobalMeatNews.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar