Pergunta: Esse é o local mais correto para se vacinar contra aftosa? Comente abaixo.

Fonte: http://www.norteagropecuario.com.br e Jornal de Uberaba.

6 opiniões sobre “Pergunta: Esse é o local mais correto para se vacinar contra aftosa? Comente abaixo.”

  • Paulo de Tarso Nammur - 04/07/2017

    Não. Eu acredito que em função da reação inflamatória causada pelo adjuvante da vacina, o melhor local é na inserção da cauda entre o anus e o osso ísquio da bacia, uma vez que não existe corte nobre nesta área e, se houver toalete no frigorífico, a perda para o pecuarista é menor

  • GUSTAVO SILVEIRA MENEZES - 07/07/2017

    ESSES CARAS ESTÃO LOUCOS….O LOCAL E NA TABUA DO PESCOÇO ONDE SÓ TEM CARNE DE TERCEIRA OU CARNE DE OSSO ;;;ONDE TEM EXCESSO DE COURO ….ONDE A VACINA SE ESPALHA MELHOR NÃO CONTAMINA A CARNE NOBRE.
    APLICAR NA INSERÇÃO DE CAUDA E LOUCURA…SE O MEDICAMENTO NÃO DISSIPAR VIRA UMA BOLA DE PUS OU NODULO ESTOURA CONTAMINA A PEÇA INTEIRA ….TRABALHO COM MANEJO A 20 ANOS ….TIVE TREINAMENTO DA MERIAL, PFIZER E PALESTRAR PELO BRASIL…PRA ESCUTA ISSO….É UM ABSURDO. PODE SE FAZER E REDUZIR A QUANTIDADE DA AFTOSA DE 5 ML PARA 3 ML….OU TRANSFORMA EM COMPRIMINDO ORAL.

  • José Leonardo Montes - 07/07/2017

    O melhor seria, uma vacina que não causa esses nódulos de pus, ou seja via oral, aí sim o pecuaristas nai teria perca no abate, no caso da toilete. Se não conseguirem uma vacina oral, que seja feito um estudo pra mudar essa que está aí.

  • Élcio Sanchez - 10/07/2017

    As defesas sanitárias deveriam fazer um treinamento obrigatório as propriedades rurais,sou med.veterinário e observo que mas fazendas maiores a vacinação é uma correria ,isopor aberto,vacina sobre couro sujo,etc, é claro temos exceções; outro ponto é a qualidade da vacina que a anos não se inova, mas adianta discutir um único culpado ,é o conjunto de ações q ira minimizar este prejuizo.

  • Carlos Silva - 01/08/2017

    Que imagem absurda! Pessoal, o local mais adequado para administrações parenterais em bovinos é a tábua do pescoço. Como todos sabemos, nesse local há cortes de menor valor agregado, o que diminui o prejuízo em caso de perdas por reação vacinal ou ocorrências de abscessos, que podem ocorrer não somente após a vacinação contra a febre aftosa, mas também após a aplicação de outros tipo de vacinas, além de antimicrobianos e antiparasitários injetáveis. Quando se faz uma aplicação na ponta de agulha, atrás do cupim ou no traseiro, caso ocorra um abscesso, por gravidade, o conteúdo purulento poderá escorrer, contaminando outras partes da carcaça, o que acarretará maiores perdas ao produtor. Se o abscesso ocorrer no tábua, o espaço que ele terá para “caminhar pela carcaça” será bem menor. O pior de tudo é que, muitas vezes, a pessoa que está assistindo ao abate, seja o produtor ou o responsável pelo gado, ainda questiona o colaborador da linha de abate por estar retirando as partes contaminadas. Não quero mudar o foco da discussão, mas aproveitar o momento para reforçar com os colegas que a simples atitude de se realizar as aplicações no local correto poderá evitar perdas importantes na sala de abate. Mas não basta mudar o local. Precisamos lembrar também de todo o processo de antissepsia para aí, sim, evitar o abscesso. Digo evitar porque o pelo do animal é contaminado e não fazemos tricotomia, obviamente. Além da dosagem etc., a reação vacinal depende muito da sensibilidade do indivíduo, diferentemente da ocorrência do abscesso, que é influenciada muito mais pela atitude do aplicador. Lembremos também que os dois podem ocorrer simultaneamente, mas não podemos confundir os conceitos…

  • Reginaldo Donizete Alves - 01/08/2017

    Isso porque ele é o ministro

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar