Liminar impede saída de navio com 9,5 mil bois da Minerva em Santos

Após entrar com uma ação civil pública, a ONG Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal conseguiu suspender a saída de um navio da Minerva do Porto de Santos, que embarcara cerca de 9.500 cabeças de gado para exportação. A liminar foi concedida pelo Juiz Federal Djalma Moreira Gomes, da 25a Vara Cível Federal de São Paulo.

O juiz acatou a alegação de que o transporte marítimo de animais vivos caracteriza uma situação de maus-tratos, conferindo uma inconstitucionalidade no Brasil, e autorizou vistoria do navio para elaboração de laudo técnico, a fim de atestar as condições às quais os animais são submetidos.

“Nos longos trajetos percorridos em alto mar, não é possível garantir nem mesmo os requisitos mínimos de bem-estar animal, e muito menos os padrões estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), à qual o Brasil é signatário”, afirma Patrycia Sato, médica veterinária e coordenadora de bem-estar de animais de produção do Fórum Animal. “Estamos atuando contra a exportação de gado vivo desde 2016, apontando as diversas irregularidades dessa atividade, para que não passe mais despercebido pelos brasileiros”.

Em dezembro, um carregamento de 27 mil cabeças de gado foi embarcado em Santos com destino a Turquia, o que gerou críticas de grupos defensores dos animais.

Segundo a ativista, ações similares têm sido realizadas com apoio de ONGs locais em outros portos de saída da animais vivos do país, no Pará, Maranhão e Rio Grande do Sul.

Na terça-feira, a empresa já havia sido multada em R$ 1,4 milhão por supostos maus-tratos aos animais.

Fonte: Valor Econômico.

4 opiniões sobre “Liminar impede saída de navio com 9,5 mil bois da Minerva em Santos”

  • luiz savio mendonça - 02/02/2018

    como uma ong gerida por qual interesse não sabemos pode intervir em uma atividade tão importante para a economia do brasil, estes bandidos transvestidos de protetores dos animais so provocam miseria e sofrimento do povo brasileiro

  • CLEIDIMAR BATISTA DE PAULA - 03/02/2018

    Um absurdo que um juiz dê ouvidos a esses alienados dessas ONGs que não sabem nem a diferença entre um boi e um cavalo e acham que alimentos nascem nas gondolas dos supermercados. Aí fica a pergunta: Impedir ou atrasar a partida do navio não aumentaria o “sofrimento” dos animais? Só no Brasil mesmo uma palhaçada dessas

  • Fernando - 18/02/2018

    Quero saber porque a MARFRIG e a detentora deste tipo de importação ?
    Não deveria ser uma boa opção para o pecuarista com ganho 25% superior? Hummmmmmm
    Acho que está modalidade deveria ser exclusiva a produtores rurais sem intermediários aqui do brasil
    Séria o mais justo

    • Eric Eduardo Bernardes de Paiva - 02/03/2018

      Fernando esta modalidade de exportação é feita pelo minerva, não Marfrig.

Os comentários estão encerrados.


ou utilize o Facebook para comentar