Gigante do comércio eletrônico chinês investe US$ 300 milhões em acordo com Montana Stockgrowers Association

O gigante chinês de comércio eletrônico JD.com investiu US$ 300 milhões em um acordo com a Montana Stockgrowers Association, incluindo US$ 100 milhões para uma nova planta de processamento.

A JD.com assinou o acordo com a maior organização de criação de gado de Montana em meados de outubro, mas se manteve quieto até a visita do presidente Donald Trump na quarta-feira à China. A JD.com é o terceiro maior varejista da Internet do mundo, depois da Amazon e do Google.

O vice-presidente executivo da Stockgrower, Errol Rice, e o produtor rural de Miles City, Fred Wacker estavam em Pequim para a cerimônia de assinatura.

“A JD.com está querendo esse gado do grande estado de Montana, conhecido por sua água fresca e seu ar limpo e carne saborosa e macia”, disse Wacker. “Estamos agora no ponto em que vamos até os produtores rurais e os inscrevemos”.

Os produtores fornecerão US$ 200 milhões em carne bovina com origem em Montana para a JD.com a partir de janeiro de 2018 e continuando até 2020. No mínimo, espera-se que a JD compre 80.000 a 90.000 animais, disse Wacker.

O acordo deverá aumentar as exportações de carne bovina de 2018 em quase 40%, de acordo com as estatísticas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O acordo é não vinculativo.

A compra de carne bovina por US $ 200 milhões será progressivamente aumentada nos próximos três anos.

A construção de um frigoríficos e um confinamento deve começar na próxima primavera, de acordo com os termos do memorando do acordo de outubro. A localização do matadouro não foi anunciada.

O acordo decorre de uma reunião de 9 de setembro com autoridades chinesas em Maudlow organizadas pelo Senador americano, Steve Daines, R-Mont. O embaixador chinês nos Estados Unidos, Cui Tianka, liderado por representantes da Câmara de Comércio da China nos EUA, apresentou os termos que os produtores de Montana teriam que cumprir para fazer negócios na China.

Cui Tianka e Steve Daines

Daines marcou a reunião depois de viajar para a China em abril para conversar com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang. Nessa viagem, o senador encontrou-se com Li com um pequeno cooler Coleman contendo bifes de Montana.

“É simplesmente notável pensar que isso foi de Maudlow a Pequim no decorrer de alguns meses, e dou todo o crédito a Fred Wacker e Errol Rice, que estão defendendo a carne bovina de Montana”, disse Daines. “E eu não quero que ninguém se esqueça de que, quando levamos esses bifes para o primeiro ministro da China em abril, eram bifes que eu mesmo peguei da fazenda de Fred Wacker em Miles City”.

Desde o início, Wacker disse que queria que Montana se separasse do rebanho de processamento produzindo sua própria carne e vendendo sob a marca Montana. Isso é importante em um país onde animais de vários estados são engordados em uma cadeia de abastecimento nacional que, em última instância, os mistura em alguns grandes frigoríficos onde a identidade do estado do animal é perdida.

Na reunião de setembro, o embaixador Cui, sugeriu que a aquisição dos investidores chineses daria à carne bovina de Montana uma vantagem na China. Em outubro, esse investimento concentrou-se na criação de um confinamento e um frigorífico em Montana.

O Banco da China assinou o memorando do acordo como financiador.

A comunidade agrícola de Montana não é estranha a investimentos estrangeiros. Os elevadores de grãos Manye no estado são de propriedade de empresas japonesas decididas a garantir o fornecimento e controlar a qualidade do trigo americano.

O comércio de carne bovina dos EUA com a China foi recentemente descongelado após uma proibição de 13 anos decorrente de um caso no Estado de Washington em 2003 de encefalopatia espongiforme bovina.

Durante a proibição de 13 anos, a demanda chinesa por carne bovina cresceu com a crescente classe média do país. Os produtores americanos observavam restaurantes e supermercados chineses servindo quantidades crescentes de carne de outros países. A China importou 825 mil toneladas de carne bovina em 2016.

Wacker, que cria gado Angus livre de implantes de antibióticos para a Whole Foods, já comercializa o tipo de gado vendido no mercado de carne de alta qualidade da China. Ele disse que a maioria dos produtores de Montana está muito perto de atender aos mesmos requisitos.

Existem outras nações que vendem carne bovina à China, que podem superar os produtores dos EUA nas vendas em classificações de qualidade baixa e média. Os custos deverão colocar os produtores americanos em desvantagem quando competem nos mercados onde concorrentes como a Austrália estão mais próximos do mercado chinês.

Para transformar em dólar, os produtores de Montana devem mirar o mercado de alta qualidade. Wacker disse que Montana pode fazer isso.

“As regras são muito simples. Eles têm que ter fonte e idade de verificação. Eles têm que ter identificador em sua orelha, que informa que essa é a fazenda em que nasceram e foram criados. E eles não podem ter tido nenhum implante”, disse Wacker.

Os produtores teriam garantia do maior preço de mercado no dia em que seus animais são vendidos, disse Wacker.

Fred Wacker.

Como o contrato com a JD.com é com a Montana Stockgrowers Association, o grupo assumirá mais um papel cooperativo com os membros comprometidos em entregar uma venda. A MSGA tradicionalmente se concentra em questões de políticas estaduais e federais.

Montana vende cerca de um milhão de cabeças de gado por ano.

Os chineses já estão investindo em Montana, no valor de US$ 17 milhões, de acordo com Cui, mas o acordo de carne bovina anunciado na quarta-feira seria o primeiro investimento direto da China na produção agrícola da Montana.

Faz 33 anos que Montana não tem um frigorifico de tamanho significativo. O último, Pierce Packing Co., de Billings, abriu um buraco de 500 empregos na economia de Billings quando fechou em 1984. Pierce era um gigante regional, mas a consolidação no setor de frigoríficos dos EUA levou à extinção da empresa de 50 anos.

Houve várias tentativas de revitalizar o setor de frigoríficos de Montana, mas a maior parte da produção é de pequena escala.

“Quando você pensa sobre o que precisamos fazer em Montana nos próximos 10 anos para garantir que continuemos crescendo nossas operações, conseguir produção, conseguir preços, isso pode ser um divisor de águas”, disse Daines.

Fonte: Billings Gazette, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar