Frigoríficos aumentam leque de serviços a pecuaristas

A necessidade de assegurar previsibilidade na oferta de gado e diluir riscos inerentes à produção de bovinos em confinamentos, além da crescente demanda por cortes de maior qualidade, está mudando a face das relações entre frigoríficos e pecuaristas no Brasil.  Nesse sentido, os frigoríficos vêm ampliando o leque de serviços oferecidos aos pecuaristas.

A Minerva Foods é a mais avançada dentre os frigoríficos, garantindo em torno de 30% de sua demanda por gado por meio dos serviços que oferece. Dentre eles, o “boi a termo” – contrato no qual o frigorífico “trava” o preço do boi para o pecuarista no mercado futuro ou de opções – é o mais usado.

Na JBS, o gado adquirido por meio desse tipo de contrato representa 13% (1,1 milhão de cabeças) do total que compra no Brasil.

Já o Marfrig não detalha o percentual, mas informa que comprará 400 mil cabeças este ano por meio dos contratos de “boi a termo”.

Além disso, cada vez mais, os frigoríficos tendem a avaliar o gado individualmente, estabelecendo o preço segundo critérios de qualidade da carcaça (como gordura, idade e raça).

É o caso, por exemplo, do “Pacto Sinal Verde”, programa recém lançado, com a participação da JBS.

Na Minerva e na Marfrig, as iniciativas mais recentes envolvem políticas de fomento à produção. Em 2015, a Minerva destinará R$ 10 milhões para financiar pecuaristas na compra de ração, adotando um protocolo de tratamento que acelera o tempo de engorda. Em troca, o pecuarista paga em arrobas, incluindo uma taxa do financiamento.

A Marfrig lançou no ano passado um programa no qual subsidia a inseminação artificial de gado selecionado, também acelerando o abate.

Fonte: Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

2 opiniões sobre “Frigoríficos aumentam leque de serviços a pecuaristas”

  • Ramos - 11/09/2015

    Caros bom dia.
    Informações muito interessante sobre essa parceria entre frigorificos e pecuaristas. Afinal, dá garantias para quem produz e para quem consome. Particularmente entendo que a partir do momento onde a “parceria” estiver fundamentada no principio da garantia do produto no local e momento certo, e cada um respeitando a necessidade da sobrevivencia do outro ,todos sairão ganhando. Pelo menos é um começo e sabemos que ajustes serão necessários no decorrer do tempo para que a iniciativa se mantenha.
    Abraços.

  • Ricardo Lanner Silveira - 12/09/2015

    O frigorífico que disponibilizar técnicos veterinários , agrônomos e zootecnistas para auxiliar os produtores sairá na frente.

Os comentários estão encerrados.


ou utilize o Facebook para comentar