EUA: Uma geração de ganhos de qualidade

Afundada por um sistema que recompensou a mediocridade há uma geração, a indústria de carne bovina dos EUA perdeu a consciência disso. Essa não foi apenas a percepção de um punhado de céticos, mas uma visão apoiada pela Auditoria Nacional da Qualidade da Carne Bovina de 1991 (NBQA), que levou o ex-secretário executivo da American Hereford Association, Hop Dickinson, a descrever sucintamente a carne bovina americana como “Muito grande, muito gorda e muito inconsistente.”

As auditorias de qualidade, financiadas pelo Beef Checkoff, foram conduzidas a cada cinco anos nos últimos 25 anos para fornecer um conjunto de guias e medidas para produtores e outros para ajudar a determinar a conformidade de qualidade da carne americana.

O ponto de referência de 1991 da NBQA colocou precisamente a indústria de carne bovina em uma encruzilhada e identificou as melhorias necessárias se a carne quisesse continuar sendo um alimento significativo na dieta americana. Em primeiro lugar, a auditoria de 1991 identificou US$ 280 de perdas por cabeça em não conformidades de carcaça – US$ 220 disso relacionado à produção excessiva de gordura.

“Foi quando a indústria da carne começou a mudar”, diz Bill Mies, especialista em Ciência Animal da Universidade Texas A & M, que desempenhou um papel tanto na realização de auditorias de qualidade como na divulgação das descobertas aos produtores. “A auditoria de 1991 forneceu evidências de que o setor de carne bovina estava deixando cerca de US$ 2 bilhões na mesa devido à falta de conformidades.”

Mies, agora professor emérito na Texas A & M, disse que a NBQA de 1991 ajudou os produtores a perceber que eles não estavam no negócio de gado, mas “produzindo o bife que acabaria na mesa do seu vizinho”.

Com o passar dos anos, note que alguns fatores foram resolvidos, enquanto surgiram novos desafios.

O sistema de comercialização da carne, há 25 anos, era tão culpado quanto a qualidade do produto pelo declínio da participação de mercado da carne bovina.

“Os produtores não eram pagos pela excelência”, diz Mies. “Eles eram recompensados pela mediocridade. Currais de gado eram todos vendidos pelo mesmo preço, independentemente da qualidade, então não havia incentivo para mudar.”

Com o despertar surgido pela auditoria de 1991, muitos produtores viram oportunidades e começaram uma revolução de qualidade da indústria que trouxe a carne bovina de volta ao mercado.

“Sem dúvidas – aqueles nos setores de produção da cadeia de fornecimento de carne bovina responderam ao chamado sobre gorduras residuais, lesões no local de injeções, cuidados com animais/manejo e melhorias genéticas”, diz Gary Smith, cientista da carne que também trabalhou para conduzir as NBQAs e entregar os resultados.

“Os resultados da NBQA de 1991 forneceram metas, e a BQA delineou um roteiro. Felizmente, os produtores ouviram e agiram. Com o apoio de meios de comunicação relacionados à agricultura, indústrias aliadas, frigoríficos e processadores e do Serviço de Extensão, o setor de carne bovina redesenhou seu caminho e navegou com sucesso em uma mudança de cultura. Sem esse esforço, a carne bovina poderia ter sido reduzida lentamente a uma fonte dietética menor de proteína.”

Avançando para a NBQA de 2016, lançada em julho deste ano, você encontrará melhorias dramáticas e lucrativas que levaram a uma maior satisfação do consumidor e recompensas aos produtores.

“Viemos de um longo caminho como uma indústria em termos de melhorar a qualidade da carne bovina”, disse Jeff Savell, professor de ciência da carne um dos três principais pesquisadores da 2016 NBQA . “As mudanças sugeridas pela auditoria através dos anos são significativas. As oportunidades de melhoria – e sucesso – são inequívocas.”

Um fato crítico descoberto pela NBQA de 1991 foi que a maioria dos produtores operava como uma ilha. Os segmentos da indústria – cria, recria, confinamento e frigorífico – tendiam a ver outros segmentos como adversários, o que impediu o compartilhamento de informações sobre a qualidade e o desempenho do gado e, em última instância, impediu os esforços da indústria de produzir produtos uniformes e consistentes.

Para demonstrar o valor da cooperação entre segmentos, o Projeto Piloto de Alianças Estratégicas foi iniciado em 1992, que incluiu todos os setores da cadeia de carne bovina. Quinze produtores enviaram cerca de 1.500 novilhos para Decatur County Feed Yard, Oberlin, Kansas, onde foram classificados e engordados até pontos ótimos, independentemente da fazenda de origem. Os animais foram abatidos pelo Excel (agora Cargill), com a carne vendida através da Safeway.

“Foi uma tentativa de colocar todos os segmentos da indústria da carne no mesmo nível e derrubar os muros da desconfiança”, disse Warren Weibert, que é co-proprietário e gerenciou o Decatur County Feed Yard por 37 anos antes de se aposentar em 2014.

“Foi uma tremenda experiência de aprendizagem para todos nós. Nós demonstramos que combinar esforços e compartilhar dados poderia levar a melhores lucros para todos e a um produto de melhor qualidade apresentado aos consumidores.”

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Uma opinião sobre “EUA: Uma geração de ganhos de qualidade”

  • sergio pflanzer - 12/09/2017

    A muito tempo tenho esse sonho de ver um projeto como esse desenvolvido no Brasil. Mas infelizmente o setor como um todo precisaria apoiar tal projeto, pois as informações precisariam ser precisas e fornecidas abertamente, oque não vejo acontecendo hoje e nem em um futuro próximo. Uma pena.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar