EUA: O que direciona a demanda por carne bovina?

Em um momento de incerteza, ter acesso a tantas informações quanto possível para guiar o setor é como conhecer o plano de jogo do outro time – nem sempre leva a uma vitória, mas certamente ajuda.

O estudo Beef Demand Determinants é um método para fornecer uma avaliação multifacetada atual dos fatores de demanda por carne bovina dos EUA. O estudo, financiado pelo beef checkoff, é realizado a cada cinco anos. Os pesquisadores que conduziram o estudo de 2017 foram Glynn Tonsor e Ted Schroeder, economistas agrícolas da Kansas State University, e Jayson Lusk, professor de economia agrícola na Purdue University.

“Monitorar e entender a preferência do consumidor por carne bovina é uma pedra angular do processo, e este estudo é uma ferramenta que usamos para entender melhor o que os consumidores consideram quando compram carne bovina”, disse Jackie Means, Van Horn, Texas, presidente do Comitê Consultivo de Avaliação de Checkoff e membro do Cattlemen’s Beef Board (CBB).

Means enfatiza a importância de realizar uma avaliação contínua do ambiente de consumo e diz: “É igualmente importante dar um mergulho profundo na questão da demanda de tempos em tempos, e o estudo Beef Demand Determinants é o mergulho mais profundo”.

Quatro principais conclusões na avaliação da demanda de carne bovina identificadas foram: menor sensibilidade ao preço; menor impacto econômico da carne suína e frango como substituto da carne bovina; presença da mídia; e mudança nas tendências demográficas.

Diminuição da sensibilidade ao preço

Na última década, a quantidade de carne bovina que os consumidores compraram tornou-se menos sensível às mudanças nos preços da carne, ainda mais sensível à renda dos consumidores.

Pesquisadores acreditam que essa conclusão está ligada a consumidores fiéis de carne bovina que continuaram comprando o produto, mesmo quando enfrentam preços recordes de varejo.

Consumidores que poderiam ter sido excluídos do mercado de carne bovina, devido a preços mais altos em supermercados ou foodservice, continuaram dedicando parte de sua renda – receita que subiu na última década – para a compra de carne bovina.

“Este resultado é crítico”, disse Tonsor. “Ele apoia um maior foco na experiência de qualidade alimentar, mesmo quando os custos de produção mais elevados foram repassados para o consumidor”.

Proteínas concorrentes

Tradicionalmente, pensa-se na carne de suína  e de frango como sendo um forte substituto para carne bovina, mas este estudo mostrou que essa substituição pode não ser tão forte quanto tradicionalmente se pensava. A análise pessoal de Tonsor dessa conclusão está centrada em duas mudanças que ele testemunhou.

“Primeiro, uma parcela crescente das decisões de compra de carne é feita por famílias de renda dupla que podem estar menos aptas ou dispostas a trocar de produtos do que no passado, dados os ajustes no valor do tempo e no conhecimento ou conforto da preparação de alimentos. Segundo, alguns produtos específicos agora são complementos ”, observa ele, citando a popularidade dos hambúrgueres de bacon.

Presença na mídia importa

Discussão e cobertura sobre carne bovina na mídia impressa e revistas médicas mudaram notavelmente ao longo do tempo, especificamente em áreas de foco tópico e volume de cobertura. Ter uma presença impactante na mídia molda as percepções, relataram os pesquisadores.

No estudo, os tópicos da mídia não foram classificados como impacto marginal (por exemplo, como a demanda muda com uma mudança de 1% na cobertura da mídia sobre o tópico X) e variabilidade no volume de cobertura da mídia (por exemplo, algumas questões como gosto são menos variáveis do que segurança).

Em vez disso, uma pequena lista de tópicos de mídia que têm impacto significativo e variam ao longo do tempo foi medida. Tópicos focados em bem-estar animal, sustentabilidade, segurança, câncer e clima, com resultados indicando uma área emergente de impacto negativo na mídia com foco nas mudanças climáticas.

Mudança nos dados demográficos

Tendências demográficas são favoráveis para a demanda por carne bovina. Prevê-se que o crescimento antecipado de populações hispânicas e afro-americanas nos EUA influencie positivamente a demanda de carne bovina.

Recomendações do estudo

Os pesquisadores fornecem as seguintes recomendações depois de medir os atuais impulsionadores da demanda e incentivar o uso efetivo dos recursos da indústria para sustentar ou melhorar ainda mais a demanda:

– Um foco contínuo em aspectos de qualidade da carne, como sabor, aparência, conveniência e frescor. Esses atributos de qualidade continuam sendo essenciais e o foco nessas características básicas de qualidade da carne bovina será mais produtivo do que focar nos “tópicos quentes do dia” da mídia.

– Tópicos importantes que levam a percepções de longo prazo tendem a ser mais impactantes ao longo do tempo. Isso ocorre porque eles têm o maior impacto líquido sobre a demanda por carne bovina, e a indústria deve se concentrar nisso, embora tenha em mente que os consumidores fiéis de carne bovina não foram receptivos a temas quentes quando se tratava de comprar carne bovina.

– Maior colaboração e uma abordagem coesa com as indústrias de carne suína e de frango dos EUA. Essas indústrias e a indústria de carne bovina enfrentam muitos desafios comuns; isso pode ajudar a usar os recursos limitados da indústria de carne bovina e fornecer uma abordagem conjunta para enfrentar a concorrência decorrente da proteína vegetal.

– Segmentação de desenvolvimento de produtos de carne bovina, mensagens e marketing para os consumidores. É recomendável prestar atenção em raça, renda, idade, ideologia política e considerações sobre o tipo de produto.

Impacto ao produtor

“É importante para nós, produtores, entender a demanda por nosso produto”, disse Means. “Isso nos permite direcionar nossos investimentos de checkoff para programas que aumentam a preferência do consumidor por carne bovina”.

Mas é importante entender a diferença entre consumo e demanda, disse ela. “O consumo não é demanda; o consumo sobe e desce com o tamanho do rebanho ou com a quantidade de carne que fornecemos. A demanda é o que um consumidor está disposto a pagar pela carne bovina, que é influenciada por sua preferência por carne bovina”.

A evolução do mercado em 2017 destacou o papel crítico da demanda de carne bovina na indústria de bovinos de corte dos EUA. “Tanto a oferta de carne bovina quanto os preços do gado aumentaram em 2017 em relação a 2016 – um resultado apenas possível com o crescimento da demanda”, disse Tonsor.

Fonte: BEEF Magazine, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar