Estudo de Harvard mostra como o jejum intermitente pode aumentar a expectativa de vida

Manipular as redes mitocondriais dentro das células – seja por restrição dietética ou por manipulação genética que a imite – pode aumentar a expectativa de vida e promover a saúde, de acordo com uma nova pesquisa da Harvard T.H. Chan School of Public Health.

O estudo, publicado em 26 de outubro na Cell Metabolism, lança luz à biologia básica envolvida na capacidade declinante das células de processar a energia ao longo do tempo, o que leva ao envelhecimento e doenças relacionadas com a idade e como as intervenções como os períodos de jejum podem promover um envelhecimento saudável.

As mitocôndrias – estruturas produtoras de energia nas células – existem em redes que mudam dinamicamente de acordo com a demanda de energia. Sua capacidade de fazer isso diminui com a idade, mas o impacto que isso tem sobre o metabolismo e a função celular ainda não era claro. Neste estudo, os pesquisadores mostraram uma ligação causal entre mudanças dinâmicas nas formas das redes mitocondriais e longevidade.

Os cientistas usaram C. elegans (vermes nematóides), que vivem apenas duas semanas e, portanto, permitem o estudo do envelhecimento em tempo real no laboratório. As redes mitocondriais dentro das células geralmente alternam entre estados fundidos e fragmentados. Os pesquisadores descobriram que restringir a dieta dos vermes, ou imitar a restrição alimentar através da manipulação genética de uma proteína sensora de energia chamada proteína quinase ativada por AMP (AMPK), manteve as redes mitocondriais em estado fundido ou “jovem”. Além disso, eles descobriram que essas redes jovens aumentaram a duração da vida ao se comunicar com órgãos denominados peroxisomas para modular o metabolismo das gorduras.

“As condições de baixa energia, como restrição dietética e jejum intermitente, demonstraram anteriormente promover o envelhecimento saudável. Compreender por que esse é o caso é um passo crucial para podermos aproveitar os benefícios de forma terapêutica “, disse Heather Weir, principal autora do estudo, que conduziu a pesquisa na Harvard Chan School e agora é pesquisadora associada da Astex Pharmaceuticals. “Nossas descobertas abrem novos caminhos na busca de estratégias terapêuticas que irão reduzir nossa probabilidade de desenvolver doenças relacionadas à idade à medida que envelhecemos”.

“Embora o trabalho anterior tenha mostrado como o jejum intermitente pode diminuir o envelhecimento, estamos apenas começando a entender a biologia subjacente”, disse William Mair, professor associado de genética e doenças complexas na Harvard Chan School e autor sênior do estudo. “Nosso trabalho mostra o quão crucial a plasticidade das redes de mitocôndrias é para os benefícios do jejum. Se travarmos as mitocôndrias em um estado, bloqueamos completamente os efeitos do jejum ou restrição alimentar na longevidade.”

Os próximos passos para os pesquisadores incluem o teste do papel que as redes mitocondriais têm no efeito do jejum em mamíferos, e se os defeitos na flexibilidade mitocondrial podem explicar a associação entre obesidade e risco aumentado de doenças relacionadas à idade.

Fonte: https://news.harvard.edu, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar