De limpadores de mesa a donos de uma Steakhouse: dois empresários albaneses imigrantes atingem o sucesso nos EUA

“Oh, isso é tão Nova York”, exclama um homem de traje de negócios para sua companheira, enquanto entravam na sala de jantar da Benjamin Steakhouse, localizada a leste de Times Square, em Manhattan. A sala de jantar, muitas vezes barulhenta após o trabalho, se encontra no final de um corredor estreito coberto com fotos emolduradas de celebridades, políticos e estrelas da mídia que jantaram no restaurante, de Kim Kardashian aos Clintons.

Alguns dos restaurantes mais emblemáticos da cidade, “tão Nova York”, como Le Cirque de Sirio Maccioni, o Galo Vermelho de Marcus Samuelsson, Felidia de Lidia Bastianich e inúmeros estabelecimentos de bairro, são de propriedade de imigrantes.

O Benjamin Steakhouse entra nesta categoria, lançado por dois cunhados albaneses em 2006 – ambos chamados Benjamin – originalmente de Plav, uma pequena cidade em Montenegro.

Foto: Nina Roberts.

“Eu cheguei aqui primeiro”, diss Benjamin Sinanaj, o mais velho dos dois, agora no final de seus 40 anos. Ele chegou à cidade de Nova York em 1986. “Estava estudando física”, lembra Sinanaj vestindo terno e gravata e lembra de ter chegado à conclusão de que teria um futuro sombrio após a formatura. “O país não estava em uma condição estável”, explica Sinanaj.

O Benjamin mais novo, Benjamin Prelvukaj, cuja irmã é casada com Sinanaj, imigrou como adolescente no final dos anos 90. “Quando a guerra começou no Kosovo”, disse Prelvukaj, agora no meio de seus 30 anos, “as coisas ficaram muito ruins”.

O Benjamin Steakhouse tem uma sensação clássica; a sala de jantar apresenta iluminação suave, garçons com gravatas borboleta transportam pratos de comida ou moedores de pimenta, toalhas brancas e superfícies de madeira mornas. Sinanaj e Prelvukaj têm um estilo de gestão ‘mão na massa’, ou seja um ou os dois podem ser encontrados trabalhando na sala, desde na saudação dos convidados até na verificação de casacos, se for necessário.

É tipicamente frequentado por empresários locais, bem como turistas, dispostos a pagar entre US$ 60 e US$ 100 por pessoa por um pedaço de carne dry-aged prime. No entanto, o espaço foi projetado inicialmente em 1911, como um clube para químicos, o que explica a grande quantidade de detalhes arquitetônicos peculiares: uma grande lareira, colunas múltiplas e uma varanda com locais para comer.

O sucesso do Benjamin Steakhouse, que substituiu uma série de restaurantes que faliram, incluindo o Nyla, de propriedade da estrela pop Britney Spears em 2002, gerou quatro restaurantes adicionais, um dos quais é uma steakhouse no Japão.

Sentado em uma sala de jantar privada no mais novo e elegante Benjamin Steakhouse Prime, localizado a um quarteirão ao sul do original, os dois Benjamins destacam os principais fatores para o seu sucesso.

Foto: Nina Roberts.

Ética do trabalho: logo após a chegada, Sinanaj conseguiu um busboy (limpador de mesa) no antigo Manhattan Grille. Ansioso para aprender inglês, ele lia o The New York Times todos os dias e falava inglês para estranhos no restaurante e na rua. “Não tive medo de falar”, lembra Sinanaj, “mesmo que eu tenha dito algo de errado.” Ele faz uma pausa e sorri, “E eu fiz você rir enquanto eu dizia isso!”

Prelvukaj cresceu em uma fazenda e tem trabalhado desde os 10 anos de idade. “Nós sempre trabalhamos quando éramos crianças pequenas porque as coisas eram difíceis, a vida não era fácil”, explica ele. Ele sombriamente acrescenta que seu pai foi morto em um acidente de ônibus no dia em que nasceu. Era uma luta para sua mãe e seus irmãos viverem da fazenda e da pequena pensão de seu pai. “Ela mora comigo e minha esposa e filhos”, diz Prelvukaj, “eu tento devolver a ela o que ela nos deu”.

“Boot Camp” no Peter Luger Steakhouse: Ambos os Benjamins trabalharam no lendário Peter Luger Steakhouse em Williamsburg, no Brooklyn, Sinanaj começou em meados dos anos 90, trabalhando até se tornar gerente; Prelvukaj começou no início dos anos 2000. Eles dizem que Peter Luger os ensinou quase tudo o que sabem sobre como administrar uma steakhouse.

“A fórmula era ótima”, lembra Prelvukaj, observando que o restaurante estava sempre cheio. Prelvukaj ressalta o básico: “Você compra o produto certo, o equipamento certo, matura adequadamente a carne, ensina as pessoas como fazer isso.”

Risco: os imigrantes que optam por iniciar novas vidas no exterior – impulsionados por dificuldades econômicas, sobrevivência física ou mesmo em busca da aventura – já assumiram riscos. Para melhor ou para pior, o lançamento de um restaurante pode não parecer tão assustador para aqueles que já assumiram esse risco.

“Às vezes, assumir um risco na vida vale a pena”, diz Prelvukaj sobre a abertura do Benjamin Steakhouse, acrescentando que 50% dos eventos diários podem ser situações totalmente novas. “Mas se você soubesse tudo o que poderia acontecer, pense duas vezes antes de abrir um negócio, porque os riscos são muito altos.”

Sinanaj queria abrir o steakhouse três, quatro anos antes do lançamento real em 2006, mas não conseguiu encontrar um local acessível com a combinação ideal de tráfego comercial, residencial e turístico. “Este surgiu”, disse Sinanaj, que envolveu comprar o arrendamento do inquilino anterior, usando sua economia e refinanciando sua casa.

Hospitalidade: Sinanaj não sabia nada sobre dirigir um restaurante quando ele aterrissou pela primeira vez nos EUA, mas sabia sobre a hospitalidade. “De volta para casa”, ele explica, “se algum convidado chegar, nós os tratamos como reis”. Conforme a tradição, ele diz: “É assim que tratamos a todos e os clientes sentem isso”.

A carne: Os Benjamins levam a sério suas carnes, desenvolvendo um relacionamento especial com o fornecedor de carne Pat LeFrieda. Eles são autorizados a inspecionar cada peça em suas visitas semanais ao local de Nova Jersey; aa carne é então maturada por 30 dias em seu depósito de Westchester.

Foto: Nina Roberts.

Gratidão: algumas pessoas nascidas nos Estados Unidos que cresceram na década de 1970 ou mais cedo são cínicas sobre o sonho americano – a tecnologia está eliminando empregos que uma vez apoiaram famílias, a classe média está diminuindo, os custos de saúde e educação são elevados. Mas para muitos imigrantes, o “sonho americano” é real. “As pessoas dizem:” Oh, isso não existe”, disse Prelvukaj, mas “na verdade, você apenas precisa ir em frente”.

Prelvukaj acredita que os imigrantes apreciam o eles têm nos EUA, mesmo que seja escasso, porque viveram em um país sem economia ou pior. Toda vez que Prelvukaj visita sua cidade natal, vê um amigo em particular que continua desempregado sem oportunidades no horizonte. “Uma vez que você vê os dois lados”, ressalta Prelvukaj, “você aprecia mais as coisas”.

“Todo mundo tem problemas. Quem não tem problemas? Sinanaj pergunta retoricamente, porque ele não é cego às dificuldades que existem nos EUA. Independentemente disso, ele escolheu imigrar para Nova York, ao invs de outras cidades internacionais como Londres ou Paris. “Na América”, disse Sinanaj, “há uma porta para todos”.

A empresa

A rede possui 4 restaurantes:

Benjamin Steakhouse – 41st street – NY

Desde a inauguração em 2006, a Benjamin Steakhouse estabeleceu-se como uma das melhores steakhouses da cidade de Nova York, atraindo profissionais de negócios e celebridades.

O Benjamin Restaurant Group tinha mais de 30 anos de experiência para criar o Benjamin Steakhouse, localizado a uma quadra da Grand Central Station.

Confira fotos abaixo:

Mais informações podem ser obtidas na página do Facebook da steakhouse.

Benjamin Prime – 23 E 40th Street, NY

Após dez anos de sucesso contínuo na área metropolitana de Nova York, o Benjamin Restaurant Group abriu o seu mais novo espaço, o Benjamin Prime.

Aqui, a elegância moderna é combinada com os clássicos de steakhouse tradicionais. Depois de aperfeiçoar os conceitos de steakhouse e frutos do mar em seu arsenal, o Benjamin Restaurant Group está destacando a carne grelhada no Prime, bifes dry-aged Prime pelo USDA e  frutos do mar suculentos de maneiras únicas.

O espaço de 930 metros quadrados abriga uma ampla sala de jantar principal com lareiras montadas na parede. Uma parede de vinho controlada por temperatura é exposta em todo o nível superior, que também oferece cinco espaços de jantar privados customizáveis para assentos de mais de 100 convidados.

Mais informações podem ser obtidas na página do Facebook da steakhouse.

Benjamin SteakHouse Westchester

Depois de receber muitos elogios da Zagat, Michelin, The New York Times e mais, o Benjamin Restaurant Group finalmente abriu a segunda localização do Benjamin Steakhouse New York City em outubro de 2010.

Com essa expansão,a  Benjamin Steakhouse trouxe a glória de NYC direto para o coração do condado de Westchester. Esta localização possui um pátio exterior deslumbrante, um Wine Lounge e uma lareira de grandes dimensões, localizada no centro da sala de jantar principal.

Mais informações podem ser obtidas na página do Facebook da steakhouse.

Benjamin Steakhouse – Tóquio – Japão

O famoso Benjamin Steakhouse da cidade de Nova York está se expandindo e abriu sua primeira localização internacional em Roppongi, Japão, em junho.

Como eles fazem nos EUA, o Benjamin Steakhouse Roppongi oferece carne Prime maturada a seco (dry-aged) por 28 dias, escolhida a dedo.

A carne é maturada utilizando o processo do Chef Executivo Arturo McLeod  no local.

Com mais de 400 vinhos em uma vasta seleção de variedades e vinhedos de todo o mundo, os clientes encontram a combinação perfeita para acompanhar a refeição.

Mais informações podem ser obtidas na página do Facebook da steakhouse.

Confira um vídeo mostrando um pouco sobre a empresa:

Abaixo, um vídeo sobre os diferentes cortes de carne:

Fonte: Forbes e Benjamin Steakhouse, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar