Como reclamar estimula a negatividade no seu cérebro (e como quebrar esse hábito)

Por Annie Wood

Quando eu tinha cerca de dezesseis anos, um dos amigos de meus pais teve alguns problemas com a lei. Quando nós o visitávamos, ele muitas vezes balançava a cabeça de um lado para o outro e murmurava, minha vida está no banheiro.

Ele falou isso muitas vezes, por muitos anos, mesmo quando as coisas pareciam ter melhorado para ele.

Minha vida está no banheiro era seu mantra.

Na época, pensei que era engraçado, então eu adotei isso para mim, até que um dia eu comecei a acreditar. Desde então, me livrei daquela frase encantadora e consegui um novo mantra.

As coisas não se tornaram magicamente ideais para mim desde então. Quero dizer, há esse nervo comprimido no meu pescoço e aqueles sons de construção do outro lado da rua, e eu realmente poderia usar mais algum trabalho e…

Tipo de drenos

Todo mundo reclana, em algum momento, pelo menos um pouco, diz Robin Kowalski, professor de psicologia na Clemson University.

Existem diferentes tipos de pessoas que reclamam, de acordo com Kowalski, como o “The Venter”. O The Venter é uma “pessoa insatisfeita que não quer ouvir soluções, por mais brilhantes que sejam”.

Desafogando. Estamos apenas soltando, certo? Talvez não. Eu pessoalmente descobri que o dreno da reclamação pode ser drenar a alma, não apenas para quem reclama, mas para todos que estão ao redor, ouvindo.

Outros tipos que você pode ter encontrado ao longo do caminho (ou pode ser você mesmo) são os Buscadores de Simpatia [Sympathy Seekers], que são as pessoas do tipo ‘para mim foi pior do que para você’ e o habitual ‘é tudo uma droga’.

Os Reclamões Crônicos [Chronic Complainers], aqueles que vivem em estado de reclamaao, fazem algo que os pesquisadores chamam de “ficar ruminando”. Isso basicamente significa pensar e reclamar sobre um problema repetidas vezes. Em vez de sentir uma liberação depois de reclamar, esse tipo de reclamação pode realmente piorar as coisas. Pode causar ainda mais preocupação e ansiedade.

Ninguém está sugerindo que você finja que tudo está bem, quando não está. O que eu aprendi na minha prática de mindfulness [atenção plena ]é buscar fazer o contrário.

Na meditação consciente, tentamos experimentar plenamente a verdade da situação, neste momento exato, e permitir que ela seja apenas. Mais fácil de dizer do que fazer (mas o que não é?) Ainda assim, com a prática, a necessidade de expressar nossa insatisfação por coisas que não são como gostaríamos diminui.

Não podemos apenas chamar a Roto-Rooter?

Ligue para a Roto-Rooter, esse é o nome, e se livre de seus problemas nas tubulações.

Quando eu era criança, adorava cantar junto nos comerciais da Roto-Rooter. Não seria legal se pudéssemos “nos livrar dos problemas pelo ralo?” Bem, talvez possamos.

A maioria de nós pode ter involuntariamente reforçado o desagradável hábito de reclamar, em virtude de … reclamar.

Há algo chamado de “neuroplasticidade dependente da experiência”, que é a contínua criação e agrupamento de conexões de neurônios em nossos cérebros que ocorrem como resultado de nossas experiências de vida.

A neurociência nos ensina que os neurônios que disparam juntos, se unem. Donald Hebb, um neuropsicólogo canadense, cunhou essa frase em 1949. O que isso significa é que sempre que pensamos algo ou temos um sentimento ou uma sensação física, milhares de neurônios são desencadeados e todos se juntam para formar uma rede neural.

Com o pensamento repetitivo, o cérebro aprende a disparar os mesmos neurônios de cada vez.

Então, se você mantém sua mente em um looping de autocrítica, preocupações e como nada está funcionando para você, sua mente descobrirá mais facilmente essa parte do seu cérebro e rapidamente irá ajudá-lo a pensar esses mesmos pensamentos novamente.

Isso molda sua mente a uma maior reatividade, tornando-o mais vulnerável à ansiedade.

Imagine um caminhão dirigindo por uma estrada enlameada. As rodas criam um sulco na lama, e cada vez que o caminhão passa por esse mesmo ponto, o sulco fica cada vez mais profundo.

O caminhão pode até, eventualmente, ficar preso na lama. Mas não precisa. Em vez de repetir as mesmas queixas negativas, podemos dirigir nossos pensamentos em uma estrada diferente para que não fiquemos presos na rotina da lama negativa.

Ao longo de nossas vidas, estamos conectando nossos cérebros, com base no nosso pensamento repetitivo. Nós ficamos bons naquilo que praticamos.

Se nos preocupamos, criando mais inquietação e ansiedade, nos tornamos preocupados estelares uma vez que nosso cérebro está respondendo, tornando mais fácil para nós nos preocupar cada vez que o fazemos, criando assim o modo padrão de viver.

O modo padrão de viver é nossa maneira habitual de seguir nossas vidas. São nossas mentes reativas em vez de nossas mentes responsivas.

Nossas mentes que reagem são muitas vezes reações automáticas a alguma coisa. Muitas vezes dizemos ou fazemos coisas que dissemos e fizemos no passado, como se estivéssemos na modalidade de modo padrão, em piloto automático. Mas nossas mentes responsivas entram em jogo quando nos damos uma pausa antes de responder a uma situação.

Nós nos perguntamos o que realmente está acontecendo e qual é o próximo melhor passo. É uma resposta mais clara no momento que não está vinculada a respostas passadas. Então, como respondemos em vez de reagir?

4 dicas

Você está preso no trânsito e não só está reclamando em voz alta para os carros que estão no seu caminho, você está imaginando chegar em casa e reclamar sobre isso com as outras pessoas. Você está praticando essa conversa na sua cabeça enquanto estiver no carro. Seu coração corre, seu rosto fica tenso. É muito tão irritante! O que fazer?

  1. Contenha a si mesmo

Durante a meditação, descobrimos que nossas mentes vão se divertir. No momento em que percebemos ela vagando e trazemos de volta ao nosso foco, nossa respiração, esse momento é o que um dos meus professores chama de “momento mágico”.

A captura de si mesmo é prática. Além disso, não julgar ou repreender-se por ter uma mente que pensa pensamentos. Todas as mentes pensam pensamentos. Esse é o trabalho delas.

Então, para parar o dreno:

Pegue-se em uma queixa.

Pare de reclamar.

Parabenize-se – você está ciente!

  1. Seja grato.

Eu tentei, mas simplesmente não consigo me queixar e ser grata ao mesmo tempo!

Estou presa no trânsito, mas agradeço por ter um carro. Sou grata pela música que toca na rádio e pelo dia ensolarado.

Não importa pelo que você é grato; pode ser uma coisa pequena. Reclamar poderia muito bem ser o gêmeo do mal da gratidão. Favoreça a gratidão.

  1. Pratique um esforço sábio.

No budismo, o esforço sábio é deixar o que não é útil e cultivar o que é habilidoso.

Faça o esforço para prestar atenção e pegar seus pensamentos negativos antes de se tornarem palavras.

Experimente e veja como se sente. Você pode se surpreender com o lugar onde você habitualmente tem colocado sua energia. Tudo consome uma certa quantidade de energia.

Da próxima vez que você se encontrar preso em um loop de reclamação, pause e reagrupe. Escolha colocar sua energia em outro lugar. Quanto mais você faz isso, mais fácil fica.

  1. Faça um novo sulco.

Assim como nossos pensamentos criaram esse sulco para tornar os pensamentos negativos mais fáceis de replicar, podemos criar um novo sulco para sentimentos agradáveis.

Quanto mais frequentemente permitimos que nossas mentes se lembrem das coisas boas, mais fácil será esse tipo de pensamento.

Você quer ser a pessoa que nunca está satisfeita e sempre coloca a culpa nos outros, em você e no mundo em geral? Ou prefere ser alguém que vê as coisas como são e encontra uma maneira de fazer as pazes com elas? Depende de você.

Fonte: Artigo de Annie Wood, para o site https://tinybuddha.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar