Como podemos treinar a próxima geração de gerentes de fazenda?

Depois de escrever a coluna do mês passado sobre manejo com fins lucrativos, cheguei a pensar sobre a idade avançada da maioria dos produtores rurais dos EUA. Parece que em apenas alguns casos as rédeas são passadas para a próxima geração.

Eu tenho que perguntar: por quê? A próxima geração decidiu que a pecuária não pode ser rentável e agradável e, portanto, já saiu do local para encontrar um futuro melhor? Mamãe e papai estão adiando as questões da transferência entre gerações da gestão e da propriedade?

Na sequência dessas perguntas, comecei a refletir sobre a complexidade da gestão em um sistema de agricultura ou pecuária que combina a dificuldade de predição em sistemas biológicos golpeados pelo clima e pelas boas práticas comerciais. Essa complexidade dos sistemas de agricultura e pecuária exige um alto nível de competência, trabalho, paixão e liderança naqueles que desejam se tornar qualificados e gerentes de sucesso.

Frequentemente recebo pedidos de nomes de gerentes qualificados. Os verdadeiramente bons são trabalhadores autônomos na sua operação familiar ou são empregados por proprietários ausentes e estão muito satisfeitos com seus empregos – eles também são bem experientes e bem pagos, por isso não são atraentes para quem quer um gerente para a típica operação de tamanho pequeno a médio.

Então, isso leva às próximas perguntas: Onde os encontramos? Como eles se qualificam?

Posso falar com muita experiência que um diploma universitário em uma disciplina agrícola não os qualifica. É um começo e alguns se qualificam muito rapidamente. No entanto, a maioria leva algum tempo; e, ao longo do caminho, alguns deles decidem que não querem o trabalho de gerente. Alguns querem o título e o salário de um gerente, mas na verdade não querem o cargo de gerente.

Muitos desses “gerentes” de hoje pertencem a essa categoria. Eles têm o cargo, mas não fazem o “trabalho do gerente”. Eles cuidam das tarefas do dia-a-dia (muitas vezes bastante bem), mas não conseguem trabalhar em estratégias que garantam a rentabilidade a longo prazo. Eles planejam a implementação de tarefas, mas não conseguem planejar onde gastar dólares e tempo para obter melhores resultados financeiros a longo prazo. Normalmente, eles não possuem habilidades para análise financeira e econômica, compreensão da ciência, habilidades de liderança ou não se importam com esse tipo de trabalho. Para ser um bom gerente, você deve se tornar um pensador de sistemas.

Para encontrar um gerente altamente qualificado hoje, você provavelmente precisará encontrar alguém que esteja trabalhando sob a supervisão de um excelente gerente cuja aposentadoria esteja a poucos anos de distância. Os bons gerentes são frequentemente treinados por bons gerentes e, em seguida, agem para serem promovidos em vez de esperar por sua vez no seu atual empregador.

Agora chego à questão de qual conselho eu daria a um graduado do ensino médio que quer se tornar um gerente de fazenda bem sucedido? Isso leva a várias questões: quanto dinheiro você quer gastar em sua educação? Qual o nível de gestão que você aspira? Quanto tempo você está disposto gastar?

Agora tenho que ser um pouco crítico com nossos sistemas universitários. Ao fazer isso, quero que meus amigos nas universidades saibam que atribuo grande valor à minha própria educação universitária e ainda mais educação adquirida desde a graduação, mantendo-me conectado a várias universidades e estações de pesquisa junto com seus professores e pesquisadores. No entanto, adquirir um diploma da universidade típica tornou-se muito caro e muitas vezes coloca uma enorme carga de dívidas sobre os jovens.

Eu também acredito na educação geral, mas os jovens e potenciais produtores rurais podem pagar quando seu principal objetivo é aprender a ser competente em um trabalho?

Então, agora eu faço essa pergunta: e se um graduado do ensino médio, sabendo que ele ou ela quer um papel na gestão da fazenda, vai para a faculdade em um modo de busca de não-graduação e obtiver uma compreensão introdutória básica do seguinte?

  • Química e biologia, que são as ciências fundamentais de toda produção de fazenda.
  • Nutrição e reprodução animal
  • Fisiologia dos solos e das plantas
  • Negócios básicos, incluindo micro e macroeconomia, contabilidade financeira, gerencial e finanças
  • Ecologia
  • Comunicação – leitura, escrita, fala e escuta

O aluno seguiria com quatro ou cinco estágios de seis meses de duração com bons agricultores ou pecuaristas com registros conhecidos de rentabilidade e habilidade para ensinar e orientar. Eu reconheço que essa abordagem é quase impensável e pode nem ser permitida por algumas universidades e conselhos acadêmicos.

Para dar um passo adiante, eu perguntaria: “Por que, depois de completar com sucesso esse tipo de busca educacional (trabalho de curso acadêmico básico seguido de estágios rigorosos e de alta qualidade), esse tipo de aluno não é considerado um candidato digno para os programas de mestrado? Eu facilmente poderia ter ido ao meu próprio programa de mestrado com esse plano de educação e teria me tornado muito mais qualificado muito mais rapidamente. Eu queria ter feito isso.

Se essa abordagem criar o desejo de se tornar um aprendiz por toda a vida, as universidades e seus bons professores e pesquisadores continuarão a ser acessados e a educação geral continuará a ocorrer de forma real, aplicada e prática. E, se você não é um aprendiz de toda a vida, nada disso importa de qualquer maneira.

Por Burke Teicher, que teve uma carreira como gerente de fazendas e foi vice-presidente e gerente geral da AgReserves, Inc., mas agora está aposentado e palestrando sobre manejo de fazendas, para a BEEF Magazine, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar