Carne a pasto – o item mais vegan do supermercado

Provavelmente, o item mais vegan que você pode comprar no supermercado é um quilo de carne produzida a pasto.

Eu estava pensando sobre essa ideia herética enquanto eu dirigia pela vizinhança do meu campo, vasculhando campos de milho vazios em busca de sinais de vida e imaginando a arrogância da humanidade. Quando decidimos que podemos possuir todas as terras da Terra e usar cada centímetro quadrado para nossas próprias necessidades? Cerca de 10 mil anos atrás, na verdade, quando inventamos a ideia da agricultura.

Infelizmente, na prática da agricultura, é impossível não causar sofrimento sem fim a muitas criaturas vivas. Pode-se argumentar que o maior sofrimento de todos é causado pela agricultura anual, o cultivo de vegetais, incluindo grãos, feijão e arroz, que levam apenas um ano para crescer da semente à comida. Nós deslocamos inúmeros animais selvagens de suas casas e terras quando cultivamos culturas anuais. Não só isso, nós também matamos milhares de criaturas quando cultivamos o solo.

Uma agricultura perene, por outro lado, baseada em árvores, arbustos e gado, permite que a natureza prospere.

Eu meditei sobre os campos de milho vazios por horas. No final, o que representa é um cemitério para toda a vida selvagem, desde o verme invertebrado até o pássaro. Todo o ecossistema selvagem é completamente interrompido pelo nosso cultivo em todas as terras aráveis.

Cerca de 162 milhões de hectares somente nos EUA são usados para cultivar, o que representa cerca de 40% de toda a terra dos EUA.

Este uso de terra arável fornece alimento suficiente para todos os seres humanos, mas tira as refeições diárias de bilhões de animais selvagens, como coelhos, abelhas, roedores, perus, minhocas e insetos sem fim, e destrói seu habitat, estrutura familiar, terrenos de caça e nectários. Sem mencionar as terríveis condições de escravo que muitos trabalhadores rurais no campo estão sujeitos. Os seres humanos são animais também.

Veja, eu não acredito de forma alguma que uma dieta vegana cause menos sofrimento a longo prazo do que qualquer outra dieta. Toda a agricultura anual fornece terreno fértil para o extermínio casual de centenas de espécies de animais anualmente. Se incluo todos os animais prejudicados no grande quadro da agricultura, não apenas os grandes mamíferos, devo concluir que cultivar o milharal é a mais assassina de todas as atividades.

É por isso que, na verdade, um quilo de carne bovina produzida a pasto representa menos sofrimento per capita do que um quilo de milho.

Estamos todos olhando para o problema da moralidade alimentar através da lente errada.

Pensamos que “eu preciso de uma estrutura moral na qual pendurar meu chapéu e orgulhosamente me proclamar isto ou aquilo para sentir que não sou uma pessoa má”. Em vez de nos agruparmos em torno dessa perspectiva defeituosa, eu gostaria de encorajar todos nós a aceitar o fato de que a vida se alimenta da vida. Precisamos começar o processo de cura na terra, cultivando o espírito de regeneração, respeitando a energia vital que reside em tudo o que comemos.

Devemos respeitar a energia vital em tudo o que consumimos, desde a árvore que usamos para lenha até o petróleo que usamos para abastecer nosso carro, como a energia acumulada da antiga luz do sol capturada pelas plantas perenes.

Nós exploramos a energia vital infinitamente, dia após dia, de várias maneiras, incluindo dirigir nossos carros em estradas asfaltadas e ligar nossos telefones de plástico para navegar na internet, tudo isso movido pelo sangue preto escuro das árvores mortas.

O veganismo é uma ideia louvável, mas para alguns fornece uma estrutura para a superioridade moral. Cultivar um complexo salvador é um resultado natural de seguir qualquer causa ideológica, e a vida é vista através de uma estrutura que exclui qualquer coisa que não se encaixe nessa ideologia. E a realidade é que todos nós consumimos energia vital, infinitamente, para viver nossas vidas.

Os alimentos menos prejudiciais para comer vêm de plantas perenes e dos animais que comem essas plantas perenes. A sinergia entre vacas e pasto dificilmente pode ser superada como um sistema ideal.

Se o objetivo principal do veganismo é reduzir o sofrimento, então muitos de nós somos veganos, e uma dieta composta principalmente de carne e lácteos produzidos a pasto, assim como ovos de galinha caipira e produtos de plantas perenes, é a dieta mais vegana que posso imaginar. Uma dieta baseada em pasto que nunca é cultivada ou perturbada permite que a natureza cresça e floresça sem as nossas lâminas, máquinas e produtos químicos agrícolas anuais.

Precisamos examinar nossa relação com a terra e a energia vital que ela contém. No início dos anos 1900, os agricultores sabiam que, para manter a terra em bom estado, o que significava ser saudável e produtivo, eles precisavam deixar suas terras ficarem em pousio. A ideia de que um pedaço de terra não tem valor é prevalente em nossa sociedade, e a ideia de terra permitida para pousio é um anátema.

Em nossa sociedade moderna, sentimos que todas as coisas devem ser o mais produtivas possível.

Mas a parte engraçada do termo pousio é que isso não significa que a terra está realmente descansando, sem fazer nada. Não, o que isso significa é que o agricultor não está coagindo a terra em produtividade com uma lâmina, motor ou produto químico. Quando é permitido retornar, a própria terra explode com vida e energia selvagens além do que é possível com uma agricultura anual. As histórias de vida de um milhão de criaturas reproduzem e contribuem para a regeneração de um pedaço de terra ociosa, um hectare selvagem, uma pequena parte do planeta Terra.

Nosso quadro atual do problema da produção de alimentos é o seguinte: os agricultores precisam utilizar a agricultura anual o máximo possível para alimentar a população. A maioria dos agricultores é “8 ou 80”. Eles não acham que podem gastar 10 anos para projetar conscientemente uma agricultura perene baseada em animais, porque precisam de dinheiro agora.

Então, o que é realmente anti-vegan, o que realmente prejudica os animais, é essa ideia – que precisamos produzir culturas anuais em cada centímetro quadrado de terra, criando um cemitério de vida selvagem em 40% das terras americanas para alimentar nossa fome infinita.

Quando chegamos ao limite, eu não acho que a maioria das pessoas no planeta realmente entende o que é necessário para cultivar nossa própria comida. E essa desconexão se espalha pelos centros urbanos em todo o mundo, onde as pessoas fazem mil escolhas tentando fazer o melhor que podem com a panóplia de produtos agrícolas anuais disponíveis, mas pouco pensam sobre a variedade de alimentos integrais perenes que enchem as prateleiras dos supermercados.

Comida barata está matando nossa conexão com a paisagem

Mais pessoas no planeta significam mais recursos sendo extraídos da Terra, independentemente de sermos ou não veganos. Os países produtores de abacate estão sentindo pressão por causa da alta demanda americana por guacamole. Vários hectares da floresta tropical estão sendo escavados para plantar mais abacateiros. A demanda é tão alta que o México, que produz cerca de metade da oferta mundial, está pensando em importar abacates, enquanto um mexicano médio não pode sequer comprá-los para comer.

Agricultores no México estão cortando florestas de pinheiros para cultivar a safra lucrativa e podem ameaçar o habitat de borboletas monarcas.

Tudo isso para dizer, ter seu bolo de chocolate com abacate cru não é tão inofensivo quanto você possa imaginar.

Se realmente fizermos uma auditoria verdadeira da morte e destruição que nossos estilos de vida causam ao mundo natural, todos ficaríamos surpresos. Todos nós deixamos um rastro de devastação à medida que passamos a cada dia, porque toda a vida consome vida para prosperar – esse é o modo natural das coisas, até onde eu sei. Seu moletom de lã sintética é tão inocente, e seu almoço de tubérculos é mesmo tão gentil com a terra?

Todos os tubérculos devem ser plantados em terra cultivada – quantas mortes ocorreram quando a terra foi arada? Removida? Cultivada? E, finalmente, todos os tubérculos precisam ser desenterrados e a terra preparada para os próximos anos.

Quando você lava sua lã em sua máquina de lavar, microesferas de plástico fluem para o seu fluxo de resíduos e, finalmente, para os rios e para o mar, causando sérios problemas de saúde para a vida marinha.

O que é importante agora é se concentrar em ganhar perspectiva sobre a questão maior e abrangente que temos como sociedade: nós não respeitamos a força da vida.

O homem moderno simplesmente não respeita a vida que reside em todas as coisas, e está conscientemente e com muita deliberação consumindo toda a energia útil até que a natureza, o planeta, esteja completamente fora de equilíbrio.

O planeta vai se recuperar de um jeito ou de outro. Mas o processo de cura da Terra pode não nos incluir se não escolhermos viver mais conscientemente.

E eu certamente não acho que isso signifique ficar vegano.

O que isso significa é cultivar uma relação real com a sua comida, por um lado. Comer localmente sempre superará qualquer jogada de moralidade dietética. Quando comemos localmente, criamos um relacionamento com a comida que colocamos em nossas bocas todos os dias. Esse relacionamento é como qualquer outro relacionamento, precisa de trabalho e cuidado.

Como defende Michael Pollan, pule todos as “besteiras” no meio do supermercado, todo o absurdo embalado que é 90% à base de milho. Os alimentos à base de milho são os alimentos menos veganos que você pode comprar. Eles contêm o sofrimento mais externalizado de qualquer grupo de alimentos que eu possa imaginar além do açúcar, outro ingrediente principal da maior parte do lixo desses alimentos embalados.

Em vez de qualquer lixo embalado, estocar carnes, legumes, lácteos, ovos e todos os outros alimentos integrais. Apenas comece por aí. Então procure seus produtores locais e compre alimentos integrais diretamente dele. Cultive relações reais, de uma forma ou de outra.

Essa é a única maneira de começar o verdadeiro processo de cura.

Podemos reduzir o sofrimento no planeta, estabelecendo conscientemente uma relação com a terra, com as pessoas que vivem na terra e com as plantas e animais que consumimos.

Artigo de Drew French, para o Medium.

2 opiniões sobre “Carne a pasto – o item mais vegan do supermercado”

  • Fernando Curi Peres - 20/05/2018

    Muito interessante o artigo de D French O único ponto que ele não menciona explicitamente é a opção humana que estamos todos fazendo por continuar deixando crescer o tamanho da nossa população Alguém poderia sugerir aos pais dele (autor) fazer controle da natalidade para que os que sobrarem poder ter somente uma alimentação baseada em proteínas animais produzidas extensivamente É a única forma que consigo pensar!

    • Fernando Curi Peres - 20/05/2018

      Poderem

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar