Produção de carne orgânica cresce a ritmo acelerado na França

Em 2016, houve um aumento de 20% nas vendas de alimentos orgânicos na França. No total, os franceses gastaram 7 bilhões de euros para comer alimentos mais saudáveis, produzidos sem agrotóxicos. Os dados são da Agence Bio, organismo dedicado ao desenvolvimento da agricultura e da pecuária orgânicas no país. E a carne não fica de fora, gerando € 342 milhões em vendas no ano passado.

“Houve um aumento de 15% na produção de carne orgânica em 2015 em relação a 2014, com diferenças entre os rebanhos de bovinos, suínos e ovinos. Os bovinos tiveram um grande aumento, já os ovinos tiveram um crescimento moderado, de cerca de 3% dos carneiros. Esse aumento da produção se confirmou em 2016. Ainda não temos os números definitivos, mas devemos chegar a 17% de crescimento em relação a 2015. Dá para ver um padrão de evolução contínua”, explicou Jean-François Deglorie, especialista no tema, no stand da Agence Bio no Salão da Agricultura. O evento vai até o dia 5 de março no centro de convenções Porte de Versailles, em Paris.

Segundo ele, “em números absolutos de 2015, havia 60 mil bovinos, sendo que cerca de 13 mil deles eram bezerros”. “Isso dá mais ou menos 50 mil adultos abatidos em 2015. Em 2016 foram 13 mil cabeças a mais, chegando a cerca de 73 mil. Para 2017, apesar de o ano ter apenas começado, a tendência é que a curva de crescimento se mantenha”, completa.

A carne orgânica custa cerca de 15% a mais que a tradicional. Porém, mesmo sendo mais cara, a carne orgânica atrai os franceses. Uma pesquisa da Interbev mostrou que 60% estão dispostos a pagar mais, citando a saúde e os benefícios ambientais como os principais fatores.

Além das vantagens para o meio ambiente e para o consumidor, a produção de carne orgânica também gera mais empregos que a pecuária de corte tradicional. “A produção de orgânicos gera 10% mais empregos que a agricultura e a pecuária tradicionais. Atualmente há 33 mil produtores na França, segundo dados de 2016. A cadeia de trabalho inclui transformadores, órgão de controle e conselhos, por exemplo. Tudo isso corresponde a mais de 100 mil empregos gerados pela produção de orgânicos na França”, revela Deglorie.

O especialista acrescenta que os benefícios econômicos se estendem para além da produção. “Um produtor de orgânicos não vai utilizar pesticidas, então haverá menos contaminação dos lençóis freáticos. Isso faz com que a água necessite menos tratamento para ser consumida pelas pessoas. Então essa água vai custar menos”.

Fonte: RFI, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar