FAO adverte para maiores riscos de doenças relacionadas ao aumento da produção de carnes

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) advertiu sobre o ressurgimento ou aparição de doenças relacionadas com a produção de carne e outros produtos de origem animal. A agência da ONU ressaltou que o aumento na demanda levou ao aumento da produção que, em algumas áreas, não atendem às normas sanitárias adequadas. O alerta foi dado no momento de um forte ressurgimento de casos de gripe aviária na Ásia e Europa, bem como de outras doenças relacionadas com a produção animal.

O foco de técnicos da FAO é na crescente demanda por proteína animal no leste e sudeste da Ásia. De acordo com estatísticas da FAO, nos últimos 50 anos, o consumo de carne no leste da Ásia aumentou mais de 500%. Em meados da década de 1960, o consumo per capita nessa região era de 8,7 quilos, passando para 50 quilos em 2015. A agência espera que até meados deste século a demanda per capita vai aumentar mais 15%.

“A demanda por produtos de carne está levando a indústria a ter essa oferta pronta para ser comprada nos mercados, mas há riscos associados a isso”, disse o diretor e chefe de veterinária da FAO, Juan Lubroth, em uma conferência regional da organização da Ásia e Pacífico.

Ele disse que uma parte importante do crescimento da oferta de animais tem ocorrido sem regulamentações. De modo que “os sistemas para garantir a sanidade dos alimentos, proteger animais e humanos junto com a prevenção de doenças conhecidas e outras não têm sido bem direcionados. A fraqueza nos sistemas mostrou suas consequências com a propagação de doenças novas ou já existentes”.

Mais de 70% de todas as doenças transmissíveis aos seres humanos estão relacionadas com zoonoses. “Como a produção animal para consumo humano aumenta no leste da Ásia, também aumenta a ameaça de novos agentes patogênicos que podem se espalhar entre as pessoas e animais através das fronteiras antes que os sintomas comecem a aparecer”, concluiu o FAO.

Fonte: El Observador, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar