Escola de samba Imperatriz Leopoldinense criticará o agronegócio no carnaval 2017

A escola de samba Imperatriz Leopoldinense trará ao Carnaval de 2017 um samba-enredo com críticas ao agronegócio, com o tema enaltecendo os índios do Parque Indígena do Xingu e para isso, criticando duramente o agro.

xingu

Uma das alas da escola de samba se chamará “fazendeiros e seus agrotóxicos”, outra se chamará “pragas e doenças” e uma outra se chamará “a chegada dos invasores” – refletindo uma teoria histórica recente de que o Brasil não foi descoberto, mas invadido pelos portugueses no século XVI.

Sobre o agro, chamado de “o belo monstro”, o samba diz “sangra o coração do meu Brasil, o belo monstro rouba as terras dos seus filhos, devora as matas e seca os rios. Tanta riqueza que a cobiça destruiu”. Haverá também uma ala chamada “os olhos da cobiça”. A letra causou revolta em vários setores do agronegócio.

xingu-2

xingu-3

xingu-4

Fonte: www.codigoflorestal.com, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

24 opiniões sobre “Escola de samba Imperatriz Leopoldinense criticará o agronegócio no carnaval 2017”

  • Max Ézio - 05/01/2017

    O agronegócio que ainda sustenta o Brasil, nós somos um País agrícola, para que tanta raiva e ódio para quem levanta cedo e trabalha duro para dar sustento a familia e ao resto do PAÍS!.

    Mastigando Água
    Jorge e Mateus
    Compositor: Joel Marques, Cacá Moraes e Maracaí

    “Você por tantas vezes fala mal de mim
    E o motivo até eu juro que eu não sei
    Eu não devo ser um cara tão ruim
    Se o que te mata a fome foi eu quem plantei
    O que te aquece o corpo é cria lá de casa
    Cobertor de lã, o pão e o café
    Sou um sertanejo adoro o meu país
    Sou desse meu jeito e assim sou feliz
    E você me diga por favor quem é

    Quem é você
    Será que já curtiu o amanhecer no mato
    A relva molhada e os pés sem sapatos
    Será que já tocou a terra com as mãos
    Quem é você
    Que só fala bonito e não ajuda em nada
    Que tem a alma seca e a terra abandonada
    O que você plantou nesse seu coração”

    • Alex - 06/01/2017

      Parabéns , essas pessoas acham que tudo que consomem é produzido dentro do supermecado. Acho que os produtores deveriam ao menos uma semana não venderem nada, para ver como esses “defensores” de florestas iriam se alimentar, uma coisa tenho certeza, não saberiam ao menos plantar um pé de feijão kkk

      • Vale - 12/02/2017

        As pessoas sabem muito de tudo que acontece, a informação está aí para quem quiser comprovar e a história contada pelos historiadores tem fundamento sim, quem não participa deste contesto não precisa vestir a carapuça, eles falam dos grandes que não respeitam os pequenos nem os da agricultura familiar. Se vcs estudarem e pesquisarem vão encontrar do seu lado o motivo destes protestos. Eu estudo agricultura natural e neste estudo ficamos sabendo muitas coisas, tipo, você para conseguir um empréstimo no banco você é obrigado a levar junto o pacote de defensivos químicos, e outras mazelas mais. Agora que é verdade o que eles dizem é.

      • Ernane S. Rosas - 21/02/2017

        Alex, ninguém em lucidez plena, pode criticar quem produz alimento. O que se está colocando para vocês do agronegócio pensarem é: O Brasil precisa continuar dependente das multinacionais das sementes e dos agrotóxicos? Precisamos colocar tanto veneno para produzir os alimentos que vamos comer? Precisamos adoecer as pessoas, os rios, os animais, os pássaros, enfim aquilo que não exportamos? Porque um produtor de banana diz “eu produzo banana, mas minha família come a banana do sítio do meu vizinho”? Porque ele tem medo que seus filhos comam desse alimento?

    • Earamosrico - 20/01/2017

      Blessed be the food producers all over the world. I know it is the concern of all countries and their consumers the quality and non toxicity of their food but what is the alternative?

      Please imagine yourselves in the same situation as Venezuela. No food being produced because of supposedly environmental concerns (ban on transgenics and no agrochemicals in shelves) and today we got more deaths by malnutrition and cancer than ever!!!

  • Beatriz Martins Ribeiro Ferdinandes - 05/01/2017

    Vamos la…..Quem esta patrocinando a escola…….Da aonde vem este dinheiro e contra a classe ou e movimentos da esquerda ou da ONU.Alguém que queria mais polemicas num mundo que não está nen ai com o ser humano.Já fui médio produtor hoje sou pequena .Não esta fácil produzir com qualidade e saber o esta fazendo e no final ser escravos.A globalização está desafiando o caráter do ser humano.A pobreza da alma dessas pessoas não tem medo de gerar uma grande guerra.Eu não sei ,mas a pior coisa do mundo teve ser Passar fome .Nossos amigos da Venezuela ou do continente Africano devem saber disso.No Brasil quantas pessoas ainda passa fome…………A pergunta e …Quem e dono da grana?Este e o grande bandido.

  • juana may - 05/01/2017

    poderia sim, criticar o governo que não cria mecanismos com a intenção de beneficiar, com trabalho é claro, os grandes produtores de commodities que veêm seus produtos exportados por preço irrizório, com a certeza que terá que recomprá-lo a preços absurdos quando do retorno para o país como produto acabado.
    o agronegócio é um expetáculo! uma cadeia produtiva impressionante, é só para para refletir. se todos ocupar de uma roda de conversa sobre o quão é interessante a cadeia de produção, a sinergia dispensada para a produção de alimentos, vestuários, maquinários………muito empolgante. Agro é tech, é pop, é tudo. parabens aos homens do agrobrasileiro.

  • Eduardo dos Santos - 06/01/2017

    Antes de criticar o agronegócio , deveria pensar que é o trabalho que mantém o Brasil eo mundo vivo, e o que é o samba perto do maior trabalho do mundo? Pra mim não é não pra muitos se chama cultura mas pra mim é uma verdadeira fuzarca sem respeito algum… E para esses ipocritas que criticam o
    agronegócio pensem bem se não fosse os agricultores vocês teriam que pegar numa enxada e trabalharem no pesado pra terem o que comer

  • Cleber Bernardes - 06/01/2017

    Depois de um dia de trabalho o que esses hipócritas fazem um belo churrasco ou quem sabe uma salada bem variada de verde tuberculos ou até mesmo um monte de leguminosos acha que isso nasce onde na máquina de xerox cambada de hipócritas sem futuro

  • Julio Cesar da Rocha - 06/01/2017

    Veja se irão encontrar algum sambista plantando soja, milho etc e pagando a conta desse bando de despreparados do governo federal que faliram o país e quem vai ter salvar este país será o agronegócio. Vamos comer samba e comprar samba pra pôr na mesa. Bando de despreparados, alienados. Só podem ser financiados por algum órgão do estado. Sejam sérios.

  • Rosicleia Santos Bello de Paula - 06/01/2017

    O ministério da Agricultura deve entrar na justiça, pedindo a retratação e proibição da escola entrar na avenida. Simples assim.

  • Benedito Rabelo - 06/01/2017

    Ambientalistas , um dia , suas leis chegarão com força total ao campo, vcs terão dinheiro , mas não terão o que comprar nos mercados , é muito bonito fazer protestos contra o homem do campo , e muito mais bonito ser ambientalistas , morando em grandes centros , achando que quem produz tudo isso são os supermercados , onde vc vai lá e colhe tudo o que precisa com dinheiro , é muito bonito ser idealistas do asfalto , pois não são vcs que terão que cuidar . Fácil assim né .
    O Brasil tem 8.500.000 km2 , e 210.000.000 de habitantes , e 1.200.000 de indios ,sendo 50% destas terras dos são indios , que não produzem nada , nem para seus sustentos .

  • Maria Gabriela D'Arcadia - 06/01/2017

    Absurdo…
    E o financiamento das escolas de samba??
    De onde vem??
    Da prostituição,do jogo do bicho e do tráfico!!

  • Guilherme - 07/01/2017

    Na minha opniao acho que seria a hora de nos produtores mostrarmos nossa forca e esgotar todos os ingressos da sapucai. E assim mostrarmos para o Brasil quem sustenta esse pais de corruptos. Iriamos todos para la e levariamos faixas assim boicotando o desfile deles

  • luciana - 07/01/2017

    Depois de todas as lutas e revezes enfrentados desde a colonização é preciso que se diga: mais respeito aos índios….mais respeito aos agricultores…as florestas que restaram precisam ser protegidas sim…..Se todos ocuparem apenas o espaço que lhe cabe, nós poderemos conviver….mais amor por favor

  • Angela Wirth Quartim Barbosa - 08/01/2017

    Vamos parar de entregar nossos produtos agropecuários por 1 mês! O Brasil irá virar de ponta cabeça. Não pensei que pessoas que comandam esse espetáculo de carnaval fossem tão ignorantes ou maquiavélicas. O que eles comem preparando esse espetáculo vem de onde? De terras indígenas? Esse samba enredo foi escrito a mando de quem? Nós produtores brasileiros alimentamos o Brasil e, com muito orgulho, parte do mundo.

  • Silas D Lima - 08/01/2017

    Embora o agronegócio seja o responsável por manter o superávit da balança comercial brasileira, ele também é o responsável pela grande perda da diversidade ecológica existentes em nosso país. A cada novo recorde de produção de commodities , mais áreas são desflorestadas. Se a evolução do agronegócio acompanhar o aumento da demanda mundial a floresta amazônica sofre o sério risco de diminuir drasticamente. Tenho totalmente ciência da importância do agronegócio, mas precisamos considerar o fato de que o enredo da escola seja autêntico.

  • Greyce Kelly - Médica Veterinária - 10/01/2017

    Cada vez mais temos uma agropecuária sustentável em nossos país, com a carne mais saborosa do mundo!! As pessoas precisam comer, e o Brasil é especialmente produtivo e faz isso cada vez mais preocupado com o meio ambiente. O que há sim, é uma gama de traficantes ambientais, que insistem em poluir, desmatar e colocar a culpa no agronegócio. A famosa corrupção que insistentemente vemos a todo lado. Lamentável !!!!!!!

  • Nivio - 11/01/2017

    É uma infelicidade !
    É um doutrinamento cego de dar medo!
    Generalizar e esculhambar é de quem não é afeito a fazer.

  • Rosmarina Hoppe - 12/01/2017

    Acho um absurdo uma escola de samba se preocupar em deturpar a imagem de quem planta,colhe e coloca os alimentos nas mesas dos brasileiros. Hoje os agricultores e pecuaristas trabalham com a preocupação constante em preservar o meio ambiente e diminuir o uso de agrotóxicos, utilizando produtos modernos e muito seletivos, com foco somente nas pragas invasoras, reduzindo seus níveis de danos e preservando o equilíbrio. Sugiro estudar e conhecer melhor a importância e a maneira como é conduzido o agro brasileiro, um dos mais modernos do mundo. Para o setor agropecuário isto significa desconhecimento do assunto abordado por essa escola de samba. Promove atraso e regressão.

  • Carlos Alberto - 12/01/2017

    Penso que a letra da melodia foi muito infeliz, desrespeita a própria vida, pensa que os indígenas são os únicos donos da terra, que na verdade ninguém por direito teria tal posse definitiva. Parafusos e motores não se plantam nas lavouras e muito menos as buzinas dos veículos não vem do aperto do rabo das vacas, se não fossem os avanços tecnológicos do agronegócio é certo, que estávamos passando fome, ou muito menos a população que somos hoje no mundo. Continuo a reflexão voltada para os indígenas, que estes sim deveriam ser tratados como indígenas, vivendo apenas do sustento da própria terra, como vieram ao mundo.

  • Márcio Cezar Carvalho - 16/01/2017

    Deixa ver se eu entendi: nosso agronegócio é líder mundial e a tecnologia aplicada garante isso. Então, qual é o problema? Ninguém quer impedir o Agronegócio, o que se “canta” é que o meio-ambiente precisa ser preservado. De que serve ter “tecnologia”, se a transformamos em “moeda” ? Por que não apresentar alternativas tecnológicas de sustentabilidade ? Será que é porque o que se quer, mesmo, é aumentar a fortuna dos 8 maiores bilionários do Planeta ? Se não é, qual a alternativa para que o Brasil continue sendo Brasil, com seus recursos naturais, sua diversidade e seu potencial para o agronegócio? Tem muita gente falando “abobrinha”, quando o que se deve fazer é investir em Tecnologia Preservacionista para fortalecer o Agronegócio e não incentivar práticas predatórias. Ou só os “grileiros” estão certos? Se não souberem fazer LEIS, peçam ajuda aos patrões dos EUA, eles sabem…

  • waldemir - 25/01/2017

    A escola foi infeliz em tratar o tema, “Xingu o clamor que vem da floresta”, culpando-o o agronegócio, a destruição das matas, para dar lugar a agrocultura.
    A produção de alimento, foi a primeira fonte de trabalho da civilização e continuará sendo sempre a maior de todas. Acredito que a escola deve repensar sobre as alas que vai compor a avenida.

  • Ernane S. Rosas - 21/02/2017

    Preciso que os defensores do agronegócio respondam estas perguntas sem subterfúgios:
    1) Se o agronegócio é tão bom quanto dizem, porque o governo precisa todo ano emprestar milhões para eles produzirem as commodities? Se vocês lucram milhões, porque não largam das tetas do governo?
    2) Porque exportamos tantas toneladas de grãos, recebendo alguns centavos por quilo, se poderíamos industrializar estes grãos e começamos a ganhar dinheiro exportando produtos com valor agregado?
    3) Quantas toneladas de água uma tonelada de carne carrega? Esse valor está incluído no seu custo do produto exportado?
    4) Porque os hospitais de São Paulo estão investindo pesado no tratamento oncológico para pessoas, depois que o Brasil se tornou o maior consumidor mundial de agrotóxicos?
    5) Agricultores de Santa Catarina produzem maças maravilhosas, mas que podem acabar se continuar a mortandade das abelhas, que são quem polinizam as flores das macieiras. Só um tipo de abelhas faz esse trabalho.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar