-A +A

Diferença entre boi gordo e carne bovina no atacado é recorde

Um dos indicadores de tendência para o valor da arroba do boi gordo é a diferença entre as cotações do Índice Esalq/BM&F do boi gordo e o Equivalente Físico (valor por quilo da carne bovina no atacado transformado em valor por arroba). Este indicador é chamado de spread entre o boi gordo e o equivalente físico.

O spread dá uma ideia de como está a margem bruta dos frigoríficos. Não é um valor exato dessa margem, pois a indústria tem diversos outros produtos além da carne, mas ajuda bem a entender a situação média dos frigoríficos. Em geral, o preço da carne está abaixo do preço do boi gordo, lembrando que o frigorífico vende uma série de subprodutos, além da carne bovina.

O spread sinaliza justamente a situação da margem da indústria. Caso a diferença entre o boi gordo e o equivalente físico seja negativa, a margem dos frigoríficos estão em situação melhor do que quando o spread é positivo. Ou seja, quando o frigorífico vende a carne no atacado a valores maiores do que compra o boi gordo, o spread é negativo; e quando o valor da arroba do boi gordo está maior do que o equivalente físico, o spread é positivo. Resumindo, spread negativo é igual a boas margens, e spread positivo é igual à menores margens para a indústria.

Neste momento, estamos vivendo uma situação muito rara. O preço da carne está muito acima do preço do boi gordo. Quando isso ocorre, de duas uma: ou o preço do boi sobe, ou o preço da carne baixa. Essa diferença chegou a -5,0 no dia 30/ago, a menor diferença já registrada. Neste dia, o Índice Esalq/BM&F estava R$92,77 e o Equivalente Físico estava R$98,36.

Repare no Gráfico 1 que o equivalente físico é de maneira geral sempre menor do que o Indicador do boi gordo (spread positivo), e analisando as médias mensais, percebe-se que raramente a carne tem picos de aumento que chegam a encostar ou ultrapassar o boi. O valor do mês de set, de R$100,60 é a média dos dois primeiros dias úteis, 03 e 04.

Da mesma forma, veja no Gráfico 02 a situação atual do spread, em níveis mínimos históricos neste mês e em tendência de baixa desde jan/11. Novamente, o valor de set/12 de -R$5,65 é a média dos dois primeiros dias úteis, 03 e 04.

Mesmo com o Indicador em valorização de 7% desde seu menor valor do ano, em 02/ago (R$88,71/@) até 04/set (R$102,93/@), a carne bovina está com valorização maior no mesmo período, de 15%, com o equivalente físico saindo de R$89,48/@ e chegando a R$102,93/@.

Gráfico 01 – Indicador Esalg/BM&FBovespa boi gordo à vista e Equivalente Físico da carne bovina no atacado

Gráfico 02 – Spread entre o Indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo à vista x equivalente físico

Veja no gráfico acima, como o valor atual da diferença entre o preço da carne e do boi gordo é recorde, desde o ano 2000.

Como qualquer valor fora da média histórica, é sensato esperar que este spread não ficará nestes patamares por muito tempo. Para isto, ou a carne no atacado deve se desvalorizar ou o boi gordo deve se valorizar. Os dois indicadores também podem se mover para o mesmo sentido com redução da diferença entre eles. Por exemplo, os dois podem se desvalorizar, mas a carne em maior intensidade reduziria a diferença entre seus valores.

Rodrigo Brolo (@rodrigobrolo), trader de commodities e Miguel Cavalcanti (@mcavalcanti) do BeefPoint, twitaram nesta terça-feira (04) justamente sobre os níveis de preço do boi e da carne. Miguel comentou que o boi está barato em relação à carne no atacado, e Rodrigo complementou que esta alta é devido à falta de carne no atacado, e não ao aumento do consumo. E deixa um alerta aos pecuaristas, dizendo que caso a oferta de carne aumente, seu preço atacado tende a cair, diminuindo o suporte para a arroba do boi gordo.

Otávio Juliato (@otaviojuliato) também comentou no Twitter que a reposição de carne bovina no varejo está acontecendo, as escalas de abate estão curtas e portanto, o valor da arroba do boi gordo dependerá da demanda por sua carne.

Veja os tweets:  

Artigo escrito por Marcelo Whately, analista de mercado do BeefPoint.

Assine nossa newsletter!

Enviar