CPI dos Frigoríficos ouve mais cinco testemunhas

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Frigoríficos realizou nesta terça-feira (31), mais uma rodada de oitiva com a participação de cinco testemunhas convocadas pela equipe técnica. Esta é a última fase relacionada a depoimentos, que segue por mais alguns meses até a confecção do relatório final. O documento será remetido ao Ministério Público Estadual, Ministério PúblicoFederal, Tribunal de Contas do Estado, Tribunal de Justiça e Poder Executivo.

Na oitiva de hoje foram ouvidos o representante do Frigorífico Juruena, Augusto de Freitas Martins; diretor do Frigorífico Pantanal, Luis Antonio de Freitas Martins; o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Pontal Amazônia de Alta Floresta, José Evandro Navarro; proprietária de plantas frigoríficas Atacama, de Nova Monte Verde, Ana Lúcia Ferrari; e a presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Frigoríficos de Tangará da Serra, Nilda Leão.

O primeiro depoente foi a representante do grupo Atacama, que  afirmou que a empresa arrematou judicialmente o frigorífico do município de Nova Monte Verde, e fechou-o em 2011.

Já Freitas disse que o frigorífico Juruena iniciou as atividades em 2007 por acreditar no potencial da região, no entanto, ficou decepcionado com os resultados obtidos. O resultado foi o fechamento da planta frigorífica, mas temos interesse em reabrir a empresa”.

Freitas Martins disse que o frigorífico Pantanal, de Juar,  paralisou as atividades em 2010, após negociação com a empresa JBS. “Foi um contrato de cinco anos devido à crise financeira, depois disso com contrato encerrado, a empresa voltou para nosso grupo, e temos interesse em reabrir a planta”.

A próxima reunião está programada para o dia 06 de setembro, à partir das 9 horas, na sala 202, quando acontece novas oitivas.

Fonte: CenárioMT.com.br, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar