Caracu: conheça mais esta raça

Licio Isfer, Engenheiro Civil, criador de gado da raça Caracu e produtor de grãos e floresta (pinus e eucalipto) na Fazenda Guarauna, em Palmeira, PR participou de entrevista com o BeefPoint mostrando sua experiência com a raça. Leia a conversa na íntegra:

BeefPoint: Por favor, conte brevemente o histórico da raça Caracu e o número de criadores.

Sr. Lício Isfer: O gado Caracu esta no Brasil desde o período colonial, a raça foi formado a partir do gado trazido pelos colonizadores portugueses e ao longo do tempo adaptou-se aos diversos ambientes do País.

Com mais de quatro séculos de adaptação, o Caracu reúne características como: rusticidade, adaptabilidade, habilidade materna, longevidade, resistência a parasitas, cascos duros, entre outras.

A partir de 1980, uma nova fase na seleção da raça com a utilização de técnicas modernas, foi iniciada. Este projeto foi coordenado pela Associação Brasileira de Criadores de Caracu (ABCC) tendo como parceiros o Instituto de Zootecnia de Sertãozinho (IZ), Embrapa – Gado de Corte (Campo Grande/MS) e o Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR). Este trabalho permitiu um salto na seleção da raça, fazendo com que animais extremamente adaptados passassem a expressar características produtivas, como ganho de peso, conformação de carcaça, precocidade, entre outras, fazendo da raça caracu, uma ótima opção para o cruzamento industrial e reforçando a importância dela na pecuária nacional.

Touro Solidário da Guaraúna

BeefPoint: Sobre o rebanho da raça no Brasil,

  • Qual o tamanho do rebanho no país?
  • Como está e qual é o crescimento anual do rebanho?
  • Como está distribuído geograficamente no país?

Sr. Lício: O rebanho controlado é 125.000 animais, considerando os sócios e não sócios da ABCC. Atualmente cerca de 5000 animais são registrados por ano, o que significa uma estagnação. A raça Caracu esta presente em: Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Pará. Existe também um núcleo de criadores no Paraguai.

BeefPoint: Quais são as principais características da raça?

Sr. Lício: A principal característica da raça Caracu é a adaptabilidade. Ao longo dos séculos de criação em território brasileiro, ela se adaptou desde os frios campos de Palmas no interior do Paraná, ao calor tropical do Pará. O que faz com que os touros da raça possam realizar monta natural nas mais condições mais extremas. Sendo a única raça européia com esta capacidade. Obviamente que com a adaptabilidade vem a rusticidade, ou seja, a capacidade de produzir em condições desfavoráveis, além de resistência a parasitoses.

As fêmeas têm grande habilidade materna, com razoável produção de leite e facilidade de parto. Estas características tornam o caracu uma ótima opção para o cruzamento industrial nas regiões centro-oeste e norte.

BeefPoint: Qual o principal modelo utilizado atualemente para terminação dos animais: a pasto ou confinamento? E qual o mais indicado?

Sr. Lício: Pelas características da raça a grande maioria dos criadores produz a pasto, alguns terminam em confinamento com bons resultados. Não há um modelo mais indicado, isso depende da propriedade.

BeefPoint: Como a ABCC busca novos produtores associados? Quais formas de fomento da raça para os associados atuais?

Sr. Lício: A busca por novos associados se dá pela divulgação das características da raça, participação em exposições, organização de reuniões técnicas, organização de material de pesquisa com resultados da raça. Para os associados, o trabalho é no sentido da busca por animais mais produtivos, através da utilização de programas de melhoramento como o Geneplus da Embrapa.

BeefPoint: Quais principais planos para o ano de 2012? E para o longo-prazo?

Sr. Lício: O grande objetivo da ABCC é fazer com que a raça ocupe o espaço que merece dentro da pecuária nacional, contribuindo para o aumento da produtividade dos rebanhos através do cruzamento. E quem sabe tornar-se um produto de exportação para países da América do Sul, Central e África.

BeefPoint: Fique a vontade para deixar uma mensagem da Associação/raça aos leitores BeefPoint.

Sr. Lício: A raça Caracu é por sua história e características um patrimônio da pecuária nacional, foi ela que sustentou a produção antes da chegada dos zebuínos, o que quase a levou a extinção. Agora moderna ela pode sem dúvida fazer uma parceria com o Nelore para produção de um cruzamento genuinamente Nacional, com ganho para o Brasil.
Matriz doadora de oócitos
Novilhas 20 24 meses de idade

13 opiniões sobre “Caracu: conheça mais esta raça”

  • fernando de lima amorim - 20/07/2012

    Linda raça, como chama o mestiço com nelore?

  • Daniel Ollhoff - 22/07/2012

    Parabéns a esta reportagem divulgando a raça Caracu. Como professor e pesquisador, gostaria de ressaltar que a ABCC tem sempre trabalhado com pesquisa o que com certeza auxiliou no salto de qualidade que o Sr. Isfer relata. Uma das pesquisas feitas, publicada em revista científica internacional pode ser acessada aqui: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16965405

  • Ricardo Alex P. de Oliveira - 23/07/2012

    Muito boa materia, parabens aos criadores da raça e em especial ao sr.Licio, por ser um intusiasta, apostar na nossa pecuaria e procurar por soluçoes para esta atividade.

  • Felipe Pohl de Souza - 23/07/2012

    Caros amigos do Beefpoint, trabalho com esta a raça a alguns anos, e pude acompanhar o grande salto de qualidade, no sentido da produção de carne, alcançada pelo caracu na ultima década, tornando-a uma bela opção para cruzamentos industriais na região centro-oeste e norte do Brasil. Vamos valorizar este Bos taurus, forjado em território brasileiro, portanto adaptado a esta terra.

  • Andréia Borges Appelt - 27/07/2012

    Reportagem muito boa! Parabéns!!!

  • Ricardo Alex P. de Oliveira - 31/07/2012

    Caro Fernando,
    respondendo a sua pergunta:
    os animais cruzados entre Caracu e Nelore nao tem raça definida.
    Esta Pratica é realizada para CRUZAMENTO INDUSTRIAL, o qual utilizando um animal britanico sobre as femeas F1 (Caracu x Nelore), obteem-se um otimo resultado,
    =melhor peso de carça, melhor acabamento de carcaça e qualidade de marmoreio.

  • Aurélio fagundes da silva - 10/08/2012

    Parabéns ao criador da raça Caracu o Sr. Lício. Uma raça determinada e rústica que embeleza os pastos do País……

  • Manoel M. C. Chaves - 28/08/2012

    Eu gostaria de saber qual a melhor opção para cruzamento das F1 caracu x nelore?

    Grato,
    Manoel Chaves

  • Luiz Alfredo Fontes de Salles Graça - 31/08/2012

    Fiquei bastante surpreso ao observar o resultado do cruzamento caracu x nelore : animais estupendos! Extrema rusticidade e carcaça magnífica.

    Luiz Alfredo
    Faz. Água do Campo – Porto Esperidião MT

  • luiz carlos lyra - 02/01/2013

    Parabens sr Licio pela materia,a raça caracu é sem duvida uma ótima opção para cruzamento no Brasil inteiro,faço cruzamento em Rondonia com a raça caracu e estou muito satisfeito.

  • David Archie Batista - 11/01/2013

    Como e bom ter a oportunidade de ler materia tao rica como esta. Sou criador de Caracu e apaixonado por esta raça. Parabens.

  • livio juliano - 21/01/2013

    gostaria de saber ,se for feito cruzamento com meio sangue de Holandês, se as femeas produzirao qual media de leite .

  • Orivaldo F. Barros - 29/01/2013

    Trabalho com a raça caracu já há uns 5 anos fazendo cruzamento industrial. Faço cruzameento de touro caracu com vacas nelore, o resultado observado é que na desmama o cruzado chega a pesar 30 kg a mais que o bezerro nelore comum, e, na engorda o cruzamento chega a 17 arrobas um ano antes. Outras raças (Canchim, Red angus, brahman, brangus, aberdeen) tbém atingem essas performance, a vantagem do caracu está na rusticidade, na adaptabilidade ao calor da regiuão centro oeste e na resistência aos parasitas principalmente ao carrapato. Destaque se dá à aptidão materna, no cruzamento de retorno da femea caracu com o nelore, além de outras vantagens citadas pelo Sr. Lício. Orivaldo F. Barros – Fazenda Ipecacuanha – Alto Paraguai-MT

Os comentários estão encerrados.


ou utilize o Facebook para comentar